domingo, 15 de janeiro de 2012

INSS: Ação Civil Pública pede suspensão do concurso

Uma ação civil pública (ACP) impetrada na última quarta-feira (11) pede a suspensão do concurso aberto recentemente pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para os cargos de Analista e Técnico do Seguro Social.

A ACP também pede a nomeação dos 1.500 aprovados no último certame, realizado em 2009, e a manutenção do concurso já aberto para o cargo de médico perito. A ação ainda será julgada pela Justiça Federal de Sergipe e poderá ser válida para todo o país.

A Defensoria Pública da União em Sergipe (DPU/SE), autora da ACP, alega que o órgão deve convocar os aprovados no último concurso em vez de realizar outro, que custará dinheiro público e poderá prejudicar quem já aguarda pela vaga. Ainda segundo a DPU/SE, a nova seleção fere os princípios da eficiência e da economia, que devem nortear a administração pública.

O certame de 2009 tinha validade de dois anos e, de acordo com o edital, já teria acabado sua validade. Mas, uma decisão judicial obrigou o órgão a prorrogá-lo por mais dois anos devido à carência de funcionários. O INSS recorreu da decisão, que será novamente julgada pela Justiça Federal.

“No caso em tela, o INSS, portanto, não poderia ter aberto novo certame para preencher vagas destinadas ao concurso anterior, sendo que os candidatos aprovados, diante da existência de tais vagas, detêm direito subjetivo à nomeação, especialmente porque foram abertas as mesmas vagas do concurso anterior”, argumentam os defensores públicos federais Raimundo Costa Coelho Filho e Lafaiete Reis Franco, responsáveis pelo caso.

Fonte: Comunicação Social DPGU/TN Concursos.

RESULTADO DO PROCESSO SELETIVO RN ALFABETIZADO

RN ALFABETIZADO
RN ALFABETIZADO

COORDENADOR

ALFABETIZADOR

Logo após, leia a notícia DATAS IMPORTANTES E DOWNLOAD DE FICHAS CADASTRAIS

REGIÃO DO SERIDÓ ESTÁ DE LUTO: MORRE MANOEL TORRES, EX PREFEITO DE CAICÓ

Aos 93 anos, morre Manoel Torres de Araújo

Morre, aos 93 anos, Manoel Torres de Araújo Caicó e o Rio Grande do Norte vestem luto hoje. Faleceu por volta das 7h o empresário, ex-deputado estadual e ex-prefeito de Caicó Manoel Torres de Araújo, aos 93 anos de idade, vítima de complicações respiratórias. Ele estava internado na Casa de Saúde São Lucas, em Natal, desde meados do mês passado, quando sofreu uma fratura do fêmur. O enterro será em Caicó, amanhã às 16h, no Cemitério Campo Jorge. O corpo de Manoel Torres será transportado ainda hoje e será velado no Salão Nobre da Prefeitura Municipal, onde ele ocupou a cadeira de prefeito em duas oportunidades. O prefeito de Caicó, Bibi Costa, decretou luto oficial por três dias.

Com Oscarina, a companheira fiel desde 1942

BIOGRAFIA

O empresário e político Manoel Torres de Araújo nasceu em Caicó em 1918, filho Paulino Batista Pereira Torres e Maria Marcolina de Oliveira Torres, membros de tradicional família seridoense.

Era viúvo de Oscarina de Oliveira Torres (falecida em 2008), sua companheira fiel e grande parceira de todas as lutas desde 1942, quando os dois se conheceram em Serra Caiada, nas andanças de Manoel no começo de sua vida empresarial.

O casal teve seis filhos: Ozelita, Lígia, Carlos Torres (Galileu), Manoel Torres Filho, Jussara e Marcos (falecido). Manoel Torres começou a estudar e concluiu o primário em São Fernando.

Fez o curso complementar no Grupo Escolar Senador Guerra, em Caicó, considerado, à época, a faculdade da juventude caicoense.

Em 1938 foi morar em Natal para continuar os estudos, mas não concluiu sequer o ginasial como era seu desejo, em decorrência das condições econômicas do pai, um agropecuarista sacrificado que tinha mais nove filhos para criar: Iracema, Polion, José, Francisco, Sebastião, Francisca Jarina, Jandira, Iluminata e Maria.

Em 1941 começou o Curso Comercial, em Caicó, fundado por Monsenhor Walfredo Gurgel e pelo bancário Felipe Nery, primeiro gerente do Banco do Brasil em Caicó. Novamente teve de interromper os estudos para assumir outras atividades.

No ano seguinte, Manoel Torres exerceu a sua primeira função pública ao assumir o cargo de Secretário-Tesoureiro da Prefeitura de Serra Negra do Norte, administrada por Descartes de Medeiros Mariz, irmão de Dinarte Mariz, ex-prefeito de Caicó, futuro senador e governador do Rio Grande do Norte. Passou um ano no cargo.

Em 1943 foi novamente para Natal, a convite da empresa João Câmara & Irmãos, na época o maior parque industrial do Rio Grande do Norte no ramo de algodão, com sete usinas instaladas no interior. Além de atuar no ramo, Manoel Torres pretendia continuar os seus estudos.

Não deu de novo: João Câmara, que posteriormente organizaria o PSD no interior do Rio Grande do Norte, aproveitou o talento do jovem caicoense para mandá-lo ao interior, supervisionar as usinas de algodão.

Em 1944, voltou a Caicó, a convite de Polion Torres, seu irmão mais velho. Os dois constituíram uma sociedade para transportar mercadorias e vender estivas. Os próximos 15 anos de sua vida se passaram em Caicó.

Em 1959, em sociedade com os irmãos e em parceria com a empresa Irmãos Santos, de Natal, fundaram a empresa Santorres Comércio S/A, para representar a Willys-Overland do Brasil como revendedores autorizados de jeeps, utilitários e peças para o interior do Rio Grande do Norte e sertão da Paraíba.

Encerrado o contrato com a Willys, a partir de 23 de setembro de 1970 a Santorres passou a representar a Mercedes Benz do Brasil, vendendo caminhões e peças e prestando assistência técnica.

Até hoje a empresa mantém suas atividades, com filial na cidade de Patos, Paraíba.

Quase que simultaneamente à instalação da Santorres, Manoel Torres, irmãos e outros amigos se associaram e fundaram a Algodoeira Seridó Comércio e Indústria S/A (ALSECOSA). Foi uma das maiores empresas do ramo.

A ALSECOSA entrou forte no mercado de compra e beneficiamento de algodão, industrialização da semente e extração de óleo.

Manoel Torres ficou como diretor da empresa até 1986, quando a praga do bicudo dizimou a produção de algodão em todo Rio Grande do Norte.

Manoel exerceu quatro mantados de deputado estadual

POLÍTICA

Manoel Torres dedicou boa parte da sua vida à atividade política e desempenhou funções de grande relevância.

Nunca se ofereceu para exercer quaisquer cargos: sempre foi convocado à luta política, pela população e correligionários, apenas para contribuir para o desenvolvimento de sua terra Caicó.

Em 1945, ao lado dos irmãos, do Monsenhor Walfredo Gurgel, Coronel Joel Dantas, Plínio Saldanha e muitos outros, ajudou a fundar o antigo PSD (Partido Social Democrático), liderado pelo senador Georgino Avelino e por João Câmara. Participou de todas as grandes campanhas políticas do Rio Grande do Norte.

No começo com o Monsenhor Walfredo Gurgel, posteriormente com Aluízio Alves e mais recentemente com o deputado Henrique Eduardo e o senador e ministro Garibaldi Filho.

Em 1954, Manoel Torres foi convocado e disputou sua primeira eleição para deputado estadual.

Foi eleito e reeleito nas duas legislaturas seguintes.

Participou ativamente da Cruzada da Esperança, em 1960, apoiando a chapa Aluízio Alves/Monsenhor Walfredo Gurgel, governador e vice.

Em 1966, num gesto de desprendimento pessoal e político que sempre o caracterizou, Manoel Torres abdicou de sua terceira reeleição para dar lugar a José Josias Fernandes, que foi eleito deputado estadual.

Voltou a se dedicar integralmente às atividades empresariais, na ALSECOSA e na Santorres.

Em 1968, novamente convocado pelo seu partido, disputou a Prefeitura de Caicó pela primeira vez.

Perdeu por 72 votos para Francisco de Assis Medeiros, numa das campanhas mais acirradas e memoráveis da história local.

Em 1972, disputou novamente a Prefeitura de Caicó e venceu com 75 votos de maioria o seu adversário Vivaldo Costa, jovem médico recém-chegado à cidade.

De 1973 a 1976 exerceu o cargo de Prefeito de Caicó enfrentando uma oposição radical à sua administração.

O seu mandato foi marcado pela austeridade nos gastos públicos e pela realização de obras significativas, como a Rodoviária Manoel de Neném e a implantação do calçamento em dezenas de ruas da cidade.

Depois que entregou a Prefeitura ao seu sucessor Dadá Costa, Manoel Torres voltou às atividades empresariais em 1978.

Quatro anos depois, novamente convocado pelas bases, Manoel torres disputou seu quarto mandato de deputado estadual e foi eleito para representar Caicó e o Seridó na Assembléia Legislativa.

Não foi candidato à reeleição em 1986, mas voltou à luta política em 1988 na disputa pela Prefeitura de Caicó, tendo como companheiro de chapa o médico Álvaro Dias.

O povo lhe deu o segundo mandato de Prefeito de Caicó.

De 1993 a 1996 voltou à lida empresarial.

Em 1996, disputou seu último mandato eletivo como candidato a Prefeito de Caicó.

Perdeu a eleição para o seu mais tradicional adversário Vivaldo Costa, hoje deputado estadual.

Em 1998 formou, como primeiro suplente, a chapa encabeçada pelo ex-governador Geraldo Melo para o senado da República.

Geraldo foi eleito, mas Manoel Torres não chegou a assumir o mandato em nenhuma ocasião.

Em 2000, num gesto de extremo desprendimento político – considerando-se a sua rica e vitoriosa trajetória política e a sua liderança pessoal – Manoel Torres foi convocado para ser o candidato a vice-prefeito de Caicó na chapa encabeçada pelo vereador Roberto Germano.

Nova vitória contra Vivaldo Costa, o eterno adversário político.

Foi a última eleição disputada pelo velho líder.

Manoel Torres ainda participou das eleições de 2002, 2004 e 2006, apoiando os candidatos do seu sistema político.

Manoel Torres foi um exemplo de honestidade e honradez para as atuais e futuras gerações de homens públicos do Rio Grande do Norte.

ACIDENTE NA BR 405 COM VÍTIMA FATAL

Informação/Foto: O Câmera
Acidente com uma vitima fatal no Km 108 da BR 405, próximo ao trevo de acesso a cidade de Rodolfo Fernandes, na tarde de sábado 14 de Janeiro de 2012, termina com uma pessoa morta no local e outro ferido gravemente.
Um carro tipo Fiorino de cor azul e placa HWA 3898 de Mossoró, trafegava pela BR, com destino a cidade de Portalegre, sobrou em uma curva, saiu da pista e capotou. O veiculo que estava transportando material de uma sucata, bateu de frente em pedra de cerca de duas toneladas, antes de capotar. O condutor e o passageiro ficaram presos as ferragens e foram retirados por populares, segundo informações colhidas no local.
Marcio Junior de Freitas, motorista do veículo, sofreu uma fratura na perna, foi socorrido pela ambulância local para o hospital da cidade de Itaú e logo depois transferido para o Hospital Regional Tarcisio Maia em Mossoró. O mesmo deu entrada por volta de 16 horas e 30 minutos, consciente e orientado.
João Francisco de Queiroz, residente na cidade de Portalegre ficou preso as ferragens do veiculo e morreu no local. João era cunhado de Marcio e trafegava como passageiro do veiculo.
Uma testemunha que trafegava pela BR, no mesmo horário do acidente, contou que ouviu um grande barulho e resolveu parar veiculo para ver o que tinha acontecido com o carro que trafegava um pouco atrás do veiculo dele. Quando retornou ainda encontrou a vitima agonizando.
A polícia Rodoviária Federal foi acionada e esteve no local fazendo os procedimentos necessários, o ITEP também compareceu, fez a perícia no local e removeu o corpo para necropsia na sede do órgão, em Mossoró.

Caraúbas - Banda Maestro Joaquim Amâncio: 141 anos de história de uma das bandas mais antigas do Brasil

Banda caraubense comemora 141 anos de história.
Chegar à falência por amor a música. Certamente bem poucos passaram por essa dificuldade alguma vez na vida. Fatos como esses compõem a história de uma das 10 bandas de música mais antigas do Brasil: a Maestro Joaquim Amâncio, da cidade de Caraúbas.
Com a primeira apresentação em 10 de janeiro de 1871, são 141 anos como maior patrimônio musical do município. Durante essa longa história, foram apenas 12 maestros a frente da banda, o primeiro deles foi Ribeiro de Menezes que iniciou o projeto.
Durante essa época, a Banda pertencia a Paróquia da cidade. Posteriormente pelo esforço na manutenção dos instrumentos, chegando inclusive a falência financeira de uma padaria, Joaquim Amâncio ficou a frente como maestro e lutou pela continuidade da banda. Mais tarde todo esse esforço rendeu-lhe a homenagem de nomear a banda caraubense de música.
A Banda de Música Maestro Joaquim Amâncio está há 21 anos “sobe a batuta” de Antonio Gomes de Sales (Maestro Toinho) que segue o caminho e o exemplo do pai Salustiano Gomes de Sales. Para o maestro, em 2000 a banda passou pela maior dificuldade, desde que ele assumiu o comando.
Músicos da Banda Maestro "Joaquim Amâncio".
“Nosso instrumental estava defasado, praticamente sem condições de tocar. Naquele ano só tocamos a festa de São Sebastião porque conseguimos arrumar instrumentos emprestados”, lembra.
Num trabalho voluntário, Cassiano Fernandes se comoveu com a situação e pediu o consentimento do maestro para buscar parcerias, como também um relatório financeiro do custo para comprar os instrumentos. Depois de alguns meses e apenas com doações de amigos, a Banda Maestro Joaquim Amâncio conseguiu adquirir novos instrumentos.
A paixão de Cassiano Fernandes pela música e pela banda continua com a realização da Retreta Cultural que através da parceria com a Prefeitura Municipal, proporciona um grande espetáculo numa sexta-feira de cada mês em nossa cidade.
Para o maestro o ideal era que todos os integrantes da banda fossem concursados, porque assim ele teria praticamente sempre o mesmo grupo de ensaio. “Quando o músico é apenas contratado para uma tocata, não temos condições de cobrar o que realmente ele pode fazer pela banda, isso dificulta o trabalho".
Hoje a banda conta com apenas 14 músicos concursados e 23 contratados. Mesmo assim a Banda Maestro Joaquim Amâncio é destaque em todo estado, inclusive foi uma das bandas mais aplaudidas em um evento que participou na cidade de Natal, que reunia músicos de todo Rio Grande do Norte
A Banda Maestro Joaquim Amâncio já viveu muitos processos de renovação de componentes. Em 2012 isso também acontece com talentos que surgem para integrarem a banda. O vice-prefeito Alcivan Viana enxerga isso como um incentivo. “Temos que cuidar em todos os sentidos para que esse trabalho continue principalmente dando condições através investimentos públicos” destacou Alcivan.
A cada Festa de São Sebastião, a paixão do caraubense pela banda sempre se renova. São no mínimo três apresentações durante os 11 dias de festa. Durante o ano a banda está sempre presentes em eventos realizados pela administração municipal, como também é um dos principais destaques do Desfile Cívico municipal em setembro.
Por MAYKON OLIVEIRA

DETRAN: CALENDÁRIO DE LICENCIAMENTO

DETRAN: CALENDÁRIO DE LICENCIAMENTO