sábado, 26 de janeiro de 2013

ÍNDIA APODI

Apodi Apodi terra dos meus ancestrais
Apodi Apodi com suas belezas naturais
Apodi India Apodi pra ser feliz muito mais
Aponi a jês a jés brincam de colorir
Aponi a jês a jés pintam o rosto pra sorrir
São tapuias, Paiacus, Janduís
Caros cariris, Caros cariris
A lagoa que banhava o índio
Hoje é do pescador
Que lança seu anzol linha de rede
Que Mata a fome a sede beija o sol
Olhando as pedras do lajedo
Vejo o princípio da arte
Adormecida pelo tempo
Mas, que agora renasce
Dançando o toré da tribo
Dançando o toré da tribo
Daqui não me arribo não
Assim canta o pessoal
Assim canta o pessoal
Tarará tarara tarará tarara
tarará tarará....
Volte semre aqui.

Zelito Coringa: De Carnaubais para o Apodi.

Militares vão ajudar a reparar escolas

A Secretaria Municipal de Educação (SME) terá o apoio das Forças Armadas para reparar as 141 escolas que compõem a rede de ensino em Natal. Os detalhes da parceria ainda estão sendo fechados, mas é possível que as primeiras intervenções comecem, ainda na próxima semana, em 30 escolas. A expectativa é que as demandas estruturais que garantem a segurança da comunidade escolar sejam sanadas antes do início do ano letivo, previsto para 27 de fevereiro. Marinha e Exército já confirmaram participação no mutirão. A SME aguarda posicionamento do Corpo de Bombeiros.

As principais necessidades são nas áreas elétrica e hidráulica, além da limpeza nas caixas d'água, áreas interna e externa e pintura dos muros. "São questões de segurança na parte de saúde e infraestrutura. Nosso desejo é que tudo termine antes do inicio das aulas para podermos iniciar o ano letivo com normalidade.", classifica a secretária de Educação de Natal, Justiva Iva. A titular da pasta disse que as negociações com Exército e Marinha estão em andamento. A secretaria enviou ainda ontem uma relação com informações de 30 escolas que  possuem recursos para realização da manutenção, elencando as necessidades, responsáveis e localização. "Não teríamos tempo para atender a todas as escolas se fossemos fazer sozinhos", justifica.

Algumas escolas, como as que já repassaram informações para a SME, possuem recursos federais destinados a manutenção e reparo de suas estruturas. Essas têm meios de adquirir o material necessário para a manutenção, limpeza e pintura. Para as demais, explica Justina Iva, alternativas estão sendo estudadas. "Não tenho dificuldade de, em um momento de crise, pedir ajuda. É para a escola, para o coletivo. Não para mim", declara. Além de doações, a secretária explica que, em alguns casos, a dispensa de licitação para aquisição dos materiais pode ocorrer, mas dentro do limite de  R$ 8 mil. Ela é necessária  diante da prazo para início das aulas.

Todas as 141 escolas da rede municipal de educação precisam passar por reformas. A Escola Municipal Irmã Arcâgela, no bairro de Igapó, é o pior retrato da manutenção das unidades. Uma das mais antigas e a maior da rede municipal, com mais de dois mil alunos nos três turnos, foi arrombada e muito do material foi levado do local. Por ser um prédio antigo, precisa de muitas intervenções. "Está uma situação de penúria", descreve Justina.

O calendário de obras será definido só na semana que vem. "Vai depender dos parceiros que entenderam que é dever deles também garantir  condições minimas para as escolas. É do Estado, família e sociedade. Então num momento como esse que estamos vivendo eles estão entendendo que podem ajudar", afirma.

* TN Online.

PSV 2013: Quase 9 mil candidatos cotistas, isentos e que solicitaram atendimento especial entregaram a documentação

Terminou nesta sexta-feira (25/01) o prazo para os candidatos cotistas, isentos e que solicitaram atendimento especial apresentarem a documentação comprobatória que valida a inscrição no Processo Seletivo Vocacionado (PSV 2013) e confirma o direito à isenção, sistema de cotas e atendimento especial.

Até a tarde de quinta (24/01) cerca de 9 mil candidatos haviam apresentado a documentação à Comissão Permanente de Vestibular (COMPERVE). De acordo com os números da COMPERVE, cerca de 16 mil candidatos precisam apresentar a documentação comprobatória.

O coordenador da Comissão Permanente de Vestibular, professor Egberto Mesquita, alerta sobre os documentos necessários: “Todos os candidatos precisam levar a ficha de inscrição preenchida e os cotistas têm que entregar também o termo de responsabilidade assinado, bem como os documentos pessoais como RG e CPF e históricos escolares. Caso algum aluno deixe, por algum motivo, de entregar a documentação no dia específico, poderá entregar até sexta-feira, dia 25 de janeiro”, afirma o professor Egberto explicando que no caso dos estudantes que solicitaram isenção, basta que eles levem o histórico de conclusão do Ensino Médio em escola pública do Rio Grande do Norte, ou comprovação de que são bolsistas; já os candidatos cotistas precisam levar histórico do Ensino Fundamental e do Ensino Médio.

A documentação exigida deverá ser entregue pessoalmente ou através de procuração, das 8h às 17h , obedecendo-se o local explicitado na ficha de inscrição do candidato. Clique AQUI e veja a documentação exigida e os locais de entrega.

Se o candidato não tem como comprovar que é beneficiado com isenção, cotas ou atendimento especial, no dia 27 de janeiro será gerada uma lista interna e esses candidatos terão outra chance de validar a inscrição. Os candidatos que não comprovarem ter direito à isenção poderão imprimir o boleto bancário e efetuar o pagamento no período de 29 a 31 de janeiro.

O candidato devidamente inscrito poderá, a partir do dia 15 de fevereiro de 2013, acessar o endereço eletrônico da Comperve (www.uern.br/comperve) para verificar a validação de sua inscrição. No mesmo dia (15/02), será divulgada a concorrência.

PSV - O PSV 2013 oferta 2.602 vagas e as provas serão realizadas nos dias 03 e 04 de março de 2013. As provas serão aplicadas, simultaneamente, nos municípios de Mossoró, Assu, Pau dos Ferros, Patu, Natal e Caicó. Ao todo foram 25.850 inscritos, dos quais mais de 20 mil validaram a inscrição.

Mais informações:
3315-2153 - Comperve

Saiba mais:
Mais de 25.800 candidatos se inscrevem no PSV 2013

Reitor diz que Mercadante prometeu curso de Medicina para Ufersa

O reitor da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), professor José de Arimatea de Matos, entregou documento ao ministério da Educação, Aloizio Mercadante (PT), solicitando a criação e implantação do curso de Medicina na instituição.

O encontro do reitor com o ministro ocorreu em Brasília, esta semana, segundo a Assessoria de Comunicação Social da Ufersa.

Mercadante disse que a Ufersa teria o curso de Medicina e autorizou a entrega do documento ao Secretário de Educação Superior. Segundo o reitor, o documento foi recebido pela Secretaria de Educação Superior (SESU) e será encaminhado para a avaliação da Comissão Nacional criada para analisar a oferta de vagas de Medicina no Brasil.

A Ufersa é a única universidade federal que não possui um curso de Medicina. Além desse fato, no documento são relatados dados do Ministério da Saúde que mostram que a mesorregião do Oeste Potiguar representa 26% da população do estado, mas que em quantitativo de médicos para cada dez mil habitantes possui a metade do estado. “Enquanto no estado a média é de 15 médicos para 10 mil habitantes, a mesorregião tem 8 médicos para 10 mil habitantes”, frisou.

De acordo com o reitor, outros índices reafirmam a necessidade da criação do curso em Mossoró, como o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e o Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IDM) de Mossoró que são considerados acima da média e o Índice de Educação considerado moderado, mas acima da média do RN. “No entanto, o Índice de Desenvolvimento da Saúde está entre os piores do estado”, ressaltou.

Outro dado do Ministério da Saúde relatado no documento é a disponibilidade atual de 667 leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) para Mossoró. “Quando tomei posse fiz a solicitação ao Ministro Aloizio e ele explicou que para a efetivação do curso de Medicina, Mossoró precisa ter cinco leitos ofertados ao SUS para cada vaga ofertada”, relembra o professor. Somando as 26 vagas atualmente disponibilizadas pela UERN com as 45 vagas que foram solicitadas para a UFERSA, ficam 9,5 leitos para cada vaga ofertada, o que representa quase o dobro de leitos solicitados.

Após a oficialização do pedido, o reitor agora conclama a bancada federal no sentindo de reinvidicar politicamente a criação do curso junto ao Ministério da Educação. “Agora é somar esforços, pois, fizemos a nossa parte ao apresentar uma justificativa técnica ao MEC”.

De Fato.