segunda-feira, 7 de outubro de 2013

III Feira de Ciências do Semiárido Potiguar De 16 a 18 de outubro de 2013

Expocenter UFERSA
Mossoró-RN
» Regulamento de Exposição: CLIQUE AQUI para fazer o download.
» Para ver a programação completa do evento, clique na imagem abaixo:

O juiz da 33ª Zona Eleitoral José Herval Sampaio Júnior cassou a prefeita e vice pela terceira vez

Abuso de poder econômico, compra de votos e conduta vedada compõem denúncia desencadeada pela coligação “Frente Popular Mossoró Mais Feliz”, que arrimou a chapa oposicionista à prefeitura, Larissa Rosado (PSB)-Josivan Barbosa (PT). A demanda em questão é uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) N° 417-67.2012.6.20.0033.

A decisão pune os réus com afastamento dos respectivos cargos (efeito imediato), inelegibilidade por oito anos, posse provisória do presidente da Câmara Municipal como prefeito e determina realização de novo pleito municipal.

“Promessas e doações realizadas em prol dos investigados – utilização excessiva de recursos econômicos e políticos com a finalidade de criar situações favoráveis à eleição dos primeiros investigados – corrupção político-eleitoral”, resumem a denúncia.

Veja, abaixo, o que foi narrado nos autos, que levaram o judicante ao convencimento de que Cláudia e Wellington foram favorecidos:

1) Da promessa do empresário Edvaldo Fagundes às duas principais instituições católicas da cidade. Promessa estendida a outras instituições inclusive com indicativo de continuidade na ajuda, para, no caso de vitória da então candidata Cláudia Regina e seu vice (paginas 12/16).

2) Da doação de bicicletas pelo empresário Edvaldo Fagundes. Promessas realizadas anteriormente às eleições e entrega posterior, com presença de filhos da governadora, bem como do filho do deputado Betinho Rosado (paginas 17/19).

3) Da doação de cadeiras de rodas pela filha do empresário Edvaldo Fagundes, conjuntamente a panfletos com propaganda negativa à campanha da então candidata Larissa Rosado, isso, anterior à eleição (paginas 19/20).

4) Da apreensão de camisetas padronizadas no dia da eleição, distribuídas pelos investigados, inexistência de despesas a esse fim na prestação de contas dos primeiros investigados efetuadas (paginas 20/24).

II. Do abuso de poder econômico praticado no contexto da prestação de contas dos investigados.

1) Do emprego de dezenas de Hilux (páginas 24/31).

2) Da utilização de helicóptero na campanha dos investigados, sem, contudo, ser informado na prestação de contas dos investigados e assim, não sendo contabilizados os valores referentes ao mesmo (páginas 31/33).

3) Da irregularidade das doações realizadas pelo Colégio Mater Christi, integrante de grupo educacional recebedor de recursos públicos (páginas 33/35).

4) Das doações relacionadas a atividades que não a atividade econômica da parte doadora e que, também, não apresentam compatibilidade com os valores de mercado dos bens doados (páginas 35/41).

5) Da utilização de veículos em propagada eleitoral, inclusive com registro junto à Justiça Eleitoral, mas, sem contabilização em prestação de contas (páginas 41/42).

6) Das doações efetivadas após o dia 07 de Outubro de 2012 (páginas 42/43).

7) Da alteração de limite de gastos durante a campanha sob pretexto e vinculado a gastos diversos dos que deram ensejo a alteração verificada (páginas 43/45).

8) Da superação do limite de gastos previsto para custeio da campanha dos investigados (páginas 45/47).

IV. Demais aspectos fáticos inerentes ao abuso de poder politico e econômico nas eleições de 2012:

1) Da ilícita propaganda realizada no dia das eleições pela senhora governadora Rosalba Ciarlini em favor dos investigados (páginas 48/50).

2) Do amplo emprego de Torpedos (SMSs) destinados a celulares com veiculação de propagandas negativas à candidata adversária, Larissa Rosado (páginas 50/51).

3) Do emprego de recursos econômicos para doações irregulares em prol da campanha investigada – formas de captação de sufrágio que são mais visíveis como abuso de poder econômico (páginas 51/56).

4) Da utilização da máquina administrativa municipal e doação de bens públicos em período vedado (páginas 56/68).

Do blog carlossantos.com.br/JBelmont.

Morte de aluna em José da Penha é o 5º caso de violência em escolas do RN

O assassinato da estudante Andressa Caroline Fontes, de 16 anos, na manhã desta segunda-feira (7) em José da Penha, a 415 de Natal, é o quinto caso de violência em escolas da rede pública de ensino ocorrido este ano no Rio Grande do Norte. A aluna foi morta a tiros no banheiro da Escola Municipal 4 de Outubro. O suspeito de matar a adolescente, identificado como José Marcos Alves, de 33 anos, suicidou-se em seguida.
Os outros quatro casos foram registrados em escolas estaduais da Grande Natal e do município de Porto do Mangue. No caso de Andressa, a polícia acredita que o crime aconteceu por motivo passional. O suspeito levou a garota até o banheiro e atirou nela com um revólver calibre 38. Ainda de acordo com a polícia, o homem tentava namorar a estudante, que recusava o romance. Andressa era aluna do 9º ano do ensino fundamental.
Outros casos
No dia 20 de agosto, um aluno da Escola Estadual Professor Josino Macedo, na zona Norte Natal, foi alvejado com três disparos de arma de fogo quando chegava para a aula. Yuran Clisma da Costa dos Santos Antônio tem 14 anos e frequenta o 6º ano B do turno da manhã. Ele foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). O suspeito, um homem sem camisa que fugiu de bicicleta, atirou várias vezes e fugiu.
No dia 16 de agosto, uma aluna de 15 anos sacou uma arma e ameaçou matar uma professora dentro da Escola Estadual Belém Câmara, no bairro de Cidade da Esperança, na zona Oeste de Natal. Um guarda patrimonial agarrou a manina na hora em que ela faria o disparo. A arma disparou e a bala atingiu o pé da adolescente.
Na delegacia, a aluna disse que está arrependida do que fez. Chorando, a adolescente relatou com detalhes o que aconteceu, explicou como conseguiu a arma e, por último, revelou que tem vontade de pedir perdão à professora. “A vontade que eu tenho é de pedir, de joelhos, perdão a ela. Só que eu não sei se ela vai me perdoar. Ela não vai me perdoar pelo que eu fiz porque eu não pensei na família dela e não pensei na minha família” (veja o vídeo ao lado).

Maio


Josimar Souza morreu dentro da sala de aula(Foto: Marcelino Neto)Em 21 de maio, na cidade de Porto do Mangue, a 235 quilômetros de Natal, um adolescente de 16 anos foi apreendido apósmatar a facadas o estudante Josimar Arruda de Souza, de 20 anos.
O crime aconteceu dentro da sala de aula da Escola Estadual Professora Josélia de Souza Silva. Segundo depoimento do menor à polícia, ele atacou o colega pelo fato de Josimar ter chamado a namorada do suspeito de “gostosa”.


Junho

Ytaelson da Paz foi morto a tiros em Macaíba(Foto: Arquivo da família)No dia 12 de junho, outro crime chocou o estado. O estudante Ytaelson Costa da Paz, de 17 anos, foi morto a tiros na porta da Escola Estadual Auta de Souza, em Macaíba, cidade da Grande Natal. Um adolescente de 14 anos foi apreendido e admitiu a autoria do crime à polícia. O assassinato foi motivado por uma briga entre os dois adolescentes em uma festa no Natal do ano passado. Os dois estudavam na mesma sala.
O chefe de investigação da delegacia de Macaíba, Elialdo Moura, disse que o adolescente infrator esperou o rival sair da escola para cometer o crime. "Ele ficou do lado de fora. Assim que a vítima saiu, ele se aproximou, sacou o revólver e efetuou os disparos", falou.
*G1.

HOMEM MATA UMA ESTUDANTE EM SEGUIDA SE SUICIDA EM JOSE DA PENHA, RN

JOSÉ DA PENHA - Uma pessoa identificada como José Marcos Alves, 33 anos José Marcos Alves, de 33 anos "Marcio Boca Torta", entrou na escola 04 de outubro em José da Penha, retirou a estudante da sala de aula levou até ao banheiro da referida escola, a matou em seguida se suicidou. Neste momento muito choro de alunos e muita indignação. Alunos foram liberados, pais ligando para escola em busca de seus filhos. De acordo com informações a vítima trata-se de Andressa Caroline Fontes, uma estudante de 16 anos,

Todos os detalhes com fotos do local logo mais...

Marcio Boca Torta/Foto Blog José da Penha

*Sargento Andrade.

Individuo enciumado mata estudante dentro de escola publica na cidade de José da Penha e comete suicidio.

Um individuo até o momento identificado como "Marcio Boca Torta", invadiu um escola na cidade de José da Penha, retirou a estudante "Andressa Caroline Fontes" de 16 anos, da sala de aula levou até ao banheiro, matou em seguida cometeu suicidou.

Neste momento muito choro de alunos e muita indignação. Alunos foram liberados, pais ligando para escola em busca de seus filhos.

Mais informações em instantes...

ATOR E DIRETOR MORRE AOS 70 ANOS

Morreu na manhã de sábado (05/10), no Hospital Sancta Maggiore, no bairro paulistano Paraíso, o ator, dramaturgo e diretor Ênio Gonçalves. Ele tinha 70 anos e sofria de uma doença renal. Na carreira, atuou em teatro, cinema e televisão. 

Foram mais de 40 filmes - entre os quais Demência (1986) e Garotas do ABC (2003), 20 novelas - como Pedra sobre Pedra (1992) - e 50 peças em que ele trabalhou como ator ou diretor. 

Gonçalves nasceu no Rio Grande do Sul, casou-se três vezes e teve duas filhas. O velório aconteceu no Cemitério do Araçá. O corpo foi cremado na manhã de deste domingo (06/10).

Maioria dos trabalhadores resgatados em trabalho escravo é do Maranhão

Vargem Grande (MA) - O Maranhão é um dos principais estados de origem dos trabalhadores resgatados em todo o país em trabalho escravo. A Comissão Pastoral da Terra (CPT) mostra que de 1995 a 2011 foram resgatadas 41,6 mil pessoas. Desses, a organização não governamental (ONG) Repórter Brasil estima que 28,31% são maranhenses.
Em Vargem Grande, no interior estado, esses trabalhadores não são apenas números ou percentuais. Eles têm nome: José, Genival, Mateus, Sebastião, entre outros. A Agência Brasil e aTV Brasil visitaram dois povoados na zona rural da cidade, Riacho do Mel, com 68 famílias, e Pequi da Rampa, com 42. Em todas as casas, há algum morador, parente ou amigo próximo que deixou a comunidade para se submeter a péssimas condições de trabalho.
As histórias se repetem. São a falta de oportunidade no povoado e a vontade de melhorar de vida que levam os trabalhadores a ir para estados como São Paulo, Pará, Mato Grosso e Goiás. Grande parte trabalhou e trabalha no corte da cana. Na maioria dos casos, antes de deixar as comunidades, eles sabem das longas jornadas e das dificuldades que encontrarão. Mas acreditam que o esforço dos anos fora é compensado pela geladeira, televisão ou moto - objetos mais cobiçados - que compram quando voltam.
Na zona rural de Vargem Grande, as principais fontes de renda são a roça e o babaçu. Com o dinheiro que se ganha, não é possível comprar mais do que o necessário para viver e sustentar a família. Na cidade, também não há muita oferta de emprego, o município tem um dos 300 piores índices de Desenvolvimento Humano, ocupa a 5.293ª posição em um ranking de 5.565, segundo o Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013. A renda por pessoa é R$ 165,37 por mês.


“Na quinzena eu ganhava, em média, R$ 380, R$ 400. Aqui é dinheiro que eu não pegava nem no ano. Melhorou muito”, diz Genival Morais da Silva. Ele tem 30 anos e mora em Pequi da Rampa. Em 2007, passou nove meses em São Paulo, trabalhando no corte da cana. “Quando voltei, comprei uma motosserra, uma moto e uma geladeira. Aqui eu não ia conseguir”.
Em São Paulo, Genival dividiu um quarto com quatro pessoas. Ele acordava às 2h para fazer comida e pegar o ônibus às 5h. Trabalhava até as 16h. Quando chegava ao barraco - como ele mesmo define - onde morava, ainda lavava a roupa e fazia o jantar. Desse tempo, ele guarda duas fotos, pelas quais pagou R$ 8. “As fotos são do dia 15 de agosto. Foi o dia em que o facão caiu da minha mão. Fazia muito frio, não consegui segurar”. Quando voltou para a comunidade, Silva casou-se e teve uma filha. Para ele, esse trabalho ficou para trás.


Cada trabalhador que vai e volta com dinheiro acaba incentivando os demais. Foi assim na família de Maria Batista dos Reis, moradora de Riacho do Mel. Os três filhos passaram ou passam por essa experiência. Mateus Batista dos Reis é um deles. Trabalhou quatro anos no corte da cana, um ano como tratorista e dez meses como motorista, tudo na mesma usina em São Paulo. Voltou com R$ 35 mil. O dinheiro lhe deu uma casa, uma vendinha, dois açudes para pesca e um carro.
“Eu tinha uns parentes que foram para lá e chegaram com algum dinheiro. A gente fica com aquela vontade de ir também e conseguir alguma coisa. Porque aqui não tem serviço, não tem emprego. Vamo pra lá por conta disso”, diz Reis. Ele e o irmão Matias estão de volta. Maria, no entanto, aguarda o retorno de Ananias, há cinco anos em São Paulo. “Se fosse por mim, eles nunca tinham ido, mas querem dinheiro. Não posso privar. São de maior [maior de idade]. Mas, fico preocupada demais”, diz a mãe.
Ir é fácil. Os chamados gatos são acessíveis na cidade, eles são responsáveis pela comunicação entre as empresas e os trabalhadores. “Toda sexta-feira sai um ônibus ali da avenida [BR - 222] cheio de gente e vai deixando. Deixa em Goiás, São Paulo, Mato Grosso do Sul, onde eles acham lugar para ir trabalhar”, diz Maria Helena da Silva, moradora de Pequi da Rampa e integrande da Cáritas, entidade vinculada à Igreja Católica, que atua no combate ao trabalho escravo na região.
De acordo com Helena, os principais destinos são São José dos Campos (SP), para o corte da cana, e Ribeirão Preto (SP), para a construção civil. Outro destino comum é Rio Verde (GO). “Tem uma rua lá onde todo mundo é de Vargem Grande ou Nina Rodrigues [município vizinho]. Trabalham lá no que o pessoal de Goiás não quer de jeito nenhum. Aí eles chamam as pessoas do Maranhão”, diz. A principal atividade em que atuam é o abate de frango.

*Agência Brasil.

AVISO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

A situação da saúde de Apodi é mesmo complicada. Falam muito, que as coisas estão melhorando, mas as pessoas, que necessitam do atendimento urgente se deparam mesmo é com esse tipo de aviso.

Muitas pessoas contam, que já tiveram cópias de documentos perdidos, quando levaram para marcarem exames e a resposta é sempre inconvincente.

Na verdade, a situação é muito diferente das promessas feitas em palanque. Mas, na atualidade, dizem é que não houve promessas de nada. 

Questionamos! Se não podem marcar os exames no momento, quando é que vão poder marcar? O que estão fazendo na saúde de Apodi?

QUEM PROMETE DEVE! UNIVERSITÁRIO COBRA ÔNIBUS PROMETIDO POR DEPUTADO


É o povo cobrando os direitos e esperando o cumprimento das promessas!