quarta-feira, 1 de abril de 2015

Autorizado reajuste de 5% a 7,7% no preço dos medicamentos

Foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira, 31, pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED) o aumento em até 7,7% dos preços dos remédios, estabelecendo os reajustes por faixa.

Entre os medicamentos que são atingidos pela Resolução estão produtos de uso contínuo ou administrados no tratamento de doenças graves, além de antibióticos, anti-inflamatórios, diuréticos, vasodilatadores e ansiolíticos. Por sua vez, os fitoterápicos e homeopáticos têm preços liberados.

Segundo o documento, serão três faixas de aumento. O reajuste mais alto será de 7,7% para os medicamentos da classe em que a participação de genéricos no faturamento é igual ou superior a 20%.

A segunda faixa compreende a participação de genéricos entre 15% e 20% e o aumento será de 6,35%. Por último está a classe com participação de genéricos em faturamento abaixo de 15%, que terá reajuste de 5%, e tem 43% dos produtos vendidos.


*Jornal De Fato.

Levy: ‘ajuste foi necessário porque medidas estavam se esgotando’

Em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicas (CAE) do Senado Federal, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse que o governo decidiu fazer o ajuste econômico para reverter a deterioração das contas fiscais e externas do país. Segundo ele, “os efeitos das medidas adotadas anteriormente estavam se esgotando”.

Levy acrescentou que medidas para melhorar as contas fiscais e do setor externo são importantes para criar condições de segurança e competitividade para a economia brasileira.

“Há [entre os agentes econômicos] grande confiança na força de adaptação da economia brasileira. Temos que focar [nossos objetivos] no mínimo de custos e no máximo de presteza. Ficar parado é ficar para trás. Queremos garantir ainda os ganhos sociais e fortalecer a nova classe média”, disse.

Segundo ele, para chegar a essa meta, é necessário aproveitar as vantagens e os talentos existentes no país. Levy acrescentou que, no processo de aperfeiçoamento da economia, existem riscos. “Não podemos cometer equívocos”, disse.

De acordo co o ministro, é preciso, a partir de agora, adotar medidas novas para levar o país ao crescimento. Uma delas está relacionada à necessidade de reduzir as renúncias fiscais . “Não há sentido [em prosseguir com as renúncias]. A motivação original delas desapareceu. No caso da [desoneração da] folha de pagamento, o que era um gasto de R$ 21,9 bilhões pode impactar [negativamente], na Previdência, em algo próximo a R$ 25 bilhões em 2015”, disse.

O ministro também explicou que é preciso adotar medidas que não levem à expansão da dívida pública, incluindo a posse de títulos na mão de estrangeiros.

* Fonte: Agência Brasil

Uma pessoa morreu e outra perdeu a perna em acidente na Br 304 próximo a divisa com o Ceará

Um acidente com vitima fatal foi registrado na noite de terça feira 31 de Março de 2015, na Br 304 próximo ao assentamento Pau Branco na zona rural de Mossoró Rio Grande do Norte.

Uma colisão envolvendo uma moto tipo Biz de placa MYR 9186 com um veiculo de grande porte, culminou na morte de Francisco Sebastião da Silva, 28 anos de idade, morador da comunidade de São Chico no estado do Ceara, Jonas Garcia da Silva que também estava na motocicleta teve sua perna decepada, o mesmo foi socorrido com vida por uma equipe do Samu para o hospital Regional Tarcísio Maia em Mossoró.

Segundo informações, os dois seguiam da comunidade Pau Branco sentido Ceará, quando foram colhidos pelo veículo, que após o acidente evadiu-se do local sem prestar socorro.

Uma viatura da Polícia Rodoviária Federal esteve no local realizando omisolamento até a chegada do Instituto Tecnico e Científico de Polícia que fez a remoção do corpo para sede dor órgão em Mossoró.


*Informações e imagens: O Câmera.

Veja a galeria de fotos