quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Piloto da Chapecoense relatou falta de combustível, diz copiloto da Avianca

Um avião da companhia Viva Colômbia estava pousando no aeroporto de Rionegro, quando piloto da LaMia solicitou prioridade para aterrissar.

Do G1: Um tripulante da companhia Avianca que estava em uma rota próxima ao voo da Chapecoense afirmou ter ouvido o diálogo entre o piloto da aeronave da LaMia e a torre de controle do aeroporto colombiano de Rionegro, perto de Medellín, segundo os jornais "El Espectador" e "El Tiempo". Ouça o relato.  
Avião acidentado que levava a Chapecoense à Colômbia (Foto: Luis Benavides/AP)

O copiloto da Avianca Juan Sebastián Upegui relatou que, enquanto uma aeronave da Viva Colômbia estava pousando, de repente chegou o piloto do voo da LaMia e disse: "solicitamos prioridade para aterrissar, temos problemas de combustível. Mas, nesse momento, ele não se declarou em emergência”.

Na sequência, segundo Upequi, a controladora de voos do Aeroporto de Rionegro afirmou ao piloto da LaMia: "temos um problema, um avião está aterrissando em emergência".

Ainda de acordo com o copiloto da Avianca, a controladora de Rionegro pediu à tripulação do voo da Avianca 9256 que virasse à esquerda, quando o piloto de LaMia passou por eles a toda.

"Quando ele [piloto da LaMia] iniciou a descida, declarou-se em emergência. Começou a dizer que tinha falha elétrica total e pediu vetores [rota mais rápida para aterrissar] para proceder [a descida]. Ajuda, vetores para alcançar a pista, repetiu", disse o tripulante da Avianca.

Segundo a Viva Colômbia, o voo FC 8170 apresentou "uma indicação na cabine" que levou o comandante a interromper o trajeto original. A empresa disse, em comunicado, que não chegou a declarar emergência.

O avião pousou à 0h51 em Medellín. Quatro minutos depois, o avião da LaMia com a delegação da Chapecoense desapareceu dos radares do Flight Radar 24, um serviço de monitoramento de voos, quando estava a 33 km do aeroporto.

Mortes
O avião, um Avro RJ-85 da companhia de voos fretados LaMia, levava o time da Chapecoense, jornalistas e convidados para Medellín, onde a equipe jogaria nesta quarta-feira (30) contra o Atlético Nacional, pela partida de ida da final da Copa Sul-Americana.


A aeronave levava 77 pessoas, sendo 68 passageiros e nove tripulantes. No acidente, morreram 71. Seis foram resgatados com vida: os jogadores Alan Ruschel, Jackson Follmann e Neto, o jornalista Rafael Henzel, a comissária de voo Ximena Suarez e o técnico da aeronave Erwin Tumiri.

APODI/RN: Jovens antecipam Natal de estudantes do Lar da Criança Pobre

Uma manhã memorável para as 64 crianças que fazem a escola Lar da Criança Pobre de Apodi, localizada no Bairro IPE na zona urbana do município, com presença de Papai Noel e muita generosidade de jovens apodienses abnegados.

O Lar da Criança Pobre é uma escola filantrópica mantida por recursos de uma irmã (freira) da Alemanha e por Eribaldo Nobre (Jesus), que com muita dificuldade sobrevive e que premia crianças com uma educação sadia e de qualidade.

Nesta terça-feira 29, quatro jovens que a muitos anos realizam essas doações, fizeram a alegria da criançada premiando com presentes, e antecipando o Natal Feliz dos meninos e meninas que integram a unidade de ensino.

Lucineide Nobre, coordenadora pedagógica da escola, explicou que com muita dificuldade a escola que não tem nenhuma ajuda do poder público está sendo ampliada com construção de outras salas, para assim ampliar o número de crianças assistidas diariamente do 1° ao 4° anos.

“Ver esse sorriso no rosto dessas crianças é recompensador, não há nada que pague, por isso agradeço de coração a estes jovens que fizeram a alegria de todos”, ressaltou Lucineide Nobre.


*Fonte: Josenias Freitas.

PROTESTO, VANDALISMO E CRIMES: Bandidos tocaram o terror em Brasília nesta terça

 Foto Agência Brasil



A violência desta terça (29) em Brasília revelou alteração de estratégia de entidades como CUT e MST: a ordem agora é “tocar o terror” e não apenas “protestar” contra o limite dos gastos públicos, dos quais se locupletaram nos governos do PT. O objetivo de invadir o Congresso, para impedir sessões na Câmara e no Senado, foi frustrado pela pronta ação da Polícia Militar do DF. Adotou-se o “plano B”, para destruir ou depredar lixeiras, cones, banheiros químicos, automóveis e prédios.

A inteligência policial detectou bandidos comuns associados aos organizadores do protesto violento. Sete ministérios foram depredados.

Antes de incendiar, os bandidos do “protesto” de Brasília saquearam os carros, nas proximidades da Catedral de Brasília.

Além de promoverem destruição, os bandidos também agrediram covardemente cidadãos que tentavam se afastar da área de conflito.



A violência de bandidos e gastões, em Brasília, talvez sirva de “pedala” para autoridades que nunca punem os vândalos, como manda a lei, com medo de serem acusados de “criminalizar movimentos sociais”.

É falso afirmar que o protesto foi contra o limite dos gastos públicos ou reforma do ensino médio. Os bandidos e a pelegada do PT que os recrutou estão indóceis com as bocas-livres que perderam no governo.

*Cláudio Humberto/JBelmont.