domingo, 15 de janeiro de 2017

Detentos cortaram energia e desativaram bloqueadores de celular durante rebelião, afirma Sejuc

Os presos que se rebelaram na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, localizada no município de Nísia Floresta, região metropolitana de Natal, cortaram os cabos de energia e subiram em postes para desativar os aparelhos que bloqueiam a chegada do sinal de rede telefônica até o presídio.

A informação foi confirmada pelo secretário de Justiça e Cidadania do Estado, Wallber Virgolino, em entrevista coletiva realizada na manhã deste domingo (15). Segundo o titular da Sejuc, o Governo não tomou medidas nesse sentido, sendo todas elas praticadas pelos próprios detentos.

“Os presos cortaram os cabos de energia elétrica e depois subiram em postes para desativar os bloqueadores da rede de telefonia móvel, por isso alguns familiares informaram à imprensa que conseguiram falar com alguns internos de Alcaçuz ao longo da rebelião”, declarou.

Segundo Virgolino, equipes da segurança do Estado estão dentro da Penitenciária e iniciaram os ajustes na estrutura, que foi bastante danificada pelos detentos. Até o momento, os buracos feitos em paredes estão sendo tampados e brevemente a energia elétrica será restabelecida.

*Com informações do Agora RN/Blog do BG.

VÍDEO: Carreta para acomodar corpos da rebelião de Alcaçuz chega ao ITEP

Essa carreta frigorífico mostrada na foto e vídeo (link abaixo) acaba de chegar no Itep. O volume de corpos é tão grande que o instituto não tem câmara para fazer a acomodação.

Os corpos, ao chegarem de Alcaçuz, serão colocados na carreta.

Veja o VÍDEO AQUI

VÍDEO: Cedido

*Blog do BG.

Feridos na rebelião em Alcaçuz são atendidos no hospital Walfredo Gurgel

Nove presos feridos durante a rebelião iniciada no sábado (14) na penitenciária de Alcaçuz foram transferidos para o Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel (HMWG). Com fraturas expostas e ferimentos para arma de fogo, os presos foram trazidos em três ambulâncias do Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (Samu) e em uma da Secretaria de Justiça do RN (Sejuc), foram atendidos no setor de politrauma e, devido a baixa gravidade dos ferimentos, nenhum dos presos corre risco de morte.

A enfermeira do setor de politrauma, Ana Elisa, explica que algumas medidas de emergência foram adotadas para atender aos presidiários. “Transferimos alguns pacientes de menor gravidade no politrauma para outros setores, pedimos à Central de Material que desse prioridade as caixas de sutura, alertamos os técnicos de enfermagem para dar suporte se necessário, já deixamos as bandejas de punções prontas e deixamos de alerta todos os cirurgiões, assim como todo o Centro Cirúrgico também”.

Elisa ainda explica que teve de remanejar cerca de 15 pacientes internados no HMWG tanto para outras unidades de saúde da capital, quanto para outros serviços do HMWG, para dar suporte a demanda que era aguardada. “Trabalhávamos com uma informação de que receberíamos cerca de 20 vítimas. Portanto, todo nosso trabalho de preparação foi voltado para atender a esse contingente”.

O secretário estadual da Saúde Pública, George Antunes de Oliveira, chegou cedo ao Walfredo Gurgel e acompanhou todo o atendimento prestado aos presidiários. A diretora administrativa do HMWG, Luzicínia Costa, e a diretora médica, Marleide Alves, também estiveram no Pronto Socorro Clóvis Sarinho (PSCS) e acompanharam o secretário pelo hospital.

Apesar dos presidiários atendidos no HMWG não apresentarem quadro grave de saúde, não há previsão de alta.

*Blog do BG.

Fuga em Alcaçuz: Pelo menos cinco detentos teriam conseguido fugir durante Rebelião

Além da intensa rebelião dentro do presídio de Alcaçuz, a Polícia Civil confirmou na manhã deste domingo (15), que alguns presos daquela unidade conseguiram fugir e foram vistos em Pirangi Praia, no litoral Sul do RN.

Segundo informações da polícia, em torno de 5 detentos foram vistos usando um short azul idêntico aos dos apenados daquela unidade. Uma pessoa ainda teria conversado com um deles, que estava sujo de sangue e que confirmou ter fugido de Alcaçuz. O relato foi repassado pelas testemunhas aos policiais civis na praia Pirangi.

As forças de segurança ainda realizam uma contagem, para tentar identificar os morto e os fugitivos.

Com informações do 190rn.com/Blog do BG.

Itep monta 'operação de guerra' para reconhecer corpos de presos no RN

Polícia faz revista de presos (Foto: Adriano Abreu/Tribuna do Norte)

O Instituto de Técnico-Científico de Polícia (Itep) está montando uma 'operação de guerra' para identificação dos corpos dos presos mortos durante a rebelião que durou pouco mais de 14 horas na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte. Uma carreta frigorífica foi contratada para armazenar os corpos, e legistas do Ceará e da Paraíba vão auxiliar no processo de identificação.

De acordo com o Itep, o órgão está preparado para receber 100 ou mais corpos, se for o caso. Uma fonte ligada ao governo informou que até a última atualização desta reportagem pelo menos 25 mortes haviam sido confirmadas. Oficialmente, o governo do RN diz apenas que há "mais de dez mortos".

Os corpos serão levados da penitenciária para o Itep nos rabecões e nos carros de perícia. "Estamos com todo o aparato pronto para receber os corpos e trabalhar na identificação", informou Thiago Tadeu, chefe de gabinete do Itep.


*Do G1 RN.

ALCAÇUZ: IDENTIFICAÇÃO DE SEIS LÍDERES DA REBELIÃO

A cúpula da Segurança Pública do RN já anunciou as primeiras medidas após a rebelião no presídio de Alcaçuz. As guaritas serão reforçadas e os envolvidos na chacina serão transferidos para outros presídios.

Foram identificados seis líderes da rebelião.

PRESIDENTE TEMER ACOMPANHA SITUAÇÃO DE ALCAÇUZ

O presidente Michel Temer, através do seu perfil pessoal do Twitter, que acompanha a situação do presídio de Alcaçuz. Ainda disse que “prestasse todo auxílio necessário ao Governo do Estado”.

IFRN CAMPUS APODI: Diretoria de Gestão da Unidade Agrícola Escola do Campus Apodi inaugura sua nova sede

Neste retorno às aulas (pós recesso escolar), a comunidade acadêmica do IFRN/Campus Apodi encontrou uma novidade, o novo espaço da Diretoria de Gestão da Unidade Agrícola Escola (DIGUAE), localizado no setor de ovinocultura.
O novo ambiente, conta com 520 m2 de área construída dividido em onze cômodos, dentre eles: um escritório, três banheiros, uma copa, sala de apoio para terceirizados, dois almoxarifados exclusivos, sala de arquivo, sala de máquinas e uma sala de expurgo destinado à limpeza, desinfecção e armazenamento dos materiais e roupas utilizadas nas atividades da fazenda.

O novo espaço da DIGUAE foi construído para facilitar a execução das atividades de servidores, terceirizados e alunos, através de um ambiente amplo e renovado, tornando mais próximo a administração da Fazenda-Escola com o setor produtivo.

A Fazenda-Escola é dirigida pela professora Ângela Patrícia Gracindo e conta com um quadro funcional de seis servidores, dois bolsistas e nove terceirizados. O horário de atendimento é das 07:00 às 17:30 horas.

O Campus Apodi segue sempre inovando para atender da melhor forma possível a comunidade acadêmica.

Rebelião em Alcaçuz pode ter mais de 30 detentos mortos

A rebelião na Penitenciária Estadual de Alcaçuz pode ter mais de 30 detentos mortos, de acordo com informações preliminares. O Gabinete de Gestão Integrada Estadual (GGI-E), mesmo após o fim do motim, permanece ativado, levantando informações e comandando as ações em andamento.

O governador Robinson Faria entrou em contato com ministro da Justiça, Alexandre de Morais, para que o Governo Federal acompanhasse a situação do Estado, e pediu reforço da Força Nacional no lado externo do presídio, o que foi autorizado prontamente.

Os detentos, que se rebelaram na tarde de ontem (14), se renderam na manhã deste domingo (15) após a Tropa de Choque da Polícia Militar entrar nos pavilhões. Segundo a Secretaria de Segurança, não houve troca de tiros.

Segundo o Instituto Técnico de Perícia do Rio Grande do Norte (Itep) será montada uma força tarefa para a identificação dos corpos com a vinda de legistas de outros estados para acelerar os trabalhos.

*Do: Nominuto.

BARAÚNA-RN: Disputa pelo comando do trafico de drogas faz mais uma vitima naquela cidade

Popular "Pitoco" foi morto com tiros de pistola 380, Ponto 40 e de escopeta calibre 12, na cidade de Baraúna  

*Fonte a informação: O Câmera.
 
No final da noite de sábado, 14 de janeiro, a cidade de Baraúna, localizada no Oeste do Rio Grande do Norte, registrou o 3º crime de homicídio em 2017. Segundo informações, uma pessoa conhecida pelo apelido de “Pitoco” foi morto a tiros na Rua João Bernal próximo ao Bar dos Malas no centro da cidade.

A polícia acredita que o crime estava relacionado a briga pelo comando de tráfico de drogas no município de Baraúna e região.

A vítima “Pitoco” não estava com documento de identificação, mas segundo informações, já apresenta uma certa idade e foi morto com disparos de pistola 380, Ponto 40 e teve o rosto desfigurado com um disparo de escopeta calibre 12.

O corpo já foi removido pela equipe de plantão no Itep em Mossoró.

Após 13h, PM entra em penitenciária no RN; há ao menos 10 mortos

Veículo blindado, vans e carros com policiais entraram às 6h10 (horário local).
Helicóptero da PM auxilia na operação, que envolve Choque, Bope e GOE


*Do G1 RN
Tropa de Choque da PM do Rio Grande do Norte entra na penitenciária estadual de Alcaçuz, na Grande Natal (Foto: Fred Carvalho/G1)

Policiais militares entraram às 6h10 deste domingo (15) na Penitenciária Estadual de Alcaçuz (horário local, 7h10 em Brasília), na Grande Natal (RN), com veículo blindado, vans e carros para tentar acabar com rebelião que já dura mais de 13 horas. Há ao menos dez mortes confirmadas durante a rebelião, segundo o governo estadual do Rio Grande do Norte.

A polícia entrou no complexo penitenciário por volta das 5h30 e, nos pavilhões onde os presos estão rebelados, às 6h10. Os policiais se dividiram em grupos e aguardam a ordem de entrar nos prédios. Um helicóptero da PM auxilia na operação, que envolve Choque, Bope e GOE (Grupo de Operações Especiais). Às 6h20, era possível ver fumaça negra nos pavilhões e ouvir bombas de efeito moral do lado de fora da penitenciária. Os detentos que passaram a noite em cima dos telhados já desceram do topo dos prédios.

Enquanto os veículos entravam no complexo penitenciário, pessoas que estavam na porta aplaudiam e vaiavam os policiais. Há familiares de detentos, que ontem à noite tentaram furar o bloqueio policial, sem sucesso. Eles dizem que presos que não estão envolvidos na rixa entre as facções estão pedindo socorro. Com panos brancos, eles acenam e pedem paz.

Panos brancos também foram colocados por detentos no telhado dos pavilhões.

Não houve negociação entre PM e presos, informou ao G1 o tenente-coronel Marcos Vinícius, que comanda o Bope, por volta das 2h. A madrugada foi tranquila, sem tiros nem tumultos aparentes. O complexo ficou sem energia elétrica desde a noite de ontem. Muitos tiros foram ouvidos e era possível ver muita fumaça do lado de fora do presídio ontem.

Ontem à noite, o secretário estadual de Justiça e Cidadania (Sejuc), Wallber Virgolino, afirmou que a determinação era retomar o controle do presídio. "A ordem já foi dada: retomar o controle de Alcaçuz e evitar rebeliões em outras unidades", afirmou Virgolino, que diz ter chamado todos os agentes penitenciários que estavam de folga. O estado possui cerca de 800 agentes penitenciários.

Alcaçuz fica em Nísia Floresta, cidade da Grande Natal, e é o maior presídio potiguar. A penitenciária possui capacidade para 620 detentos, mas abriga cerca de 1.150 presos, segundo a Sejuc, órgão responsável pelo sistema prisional do estado.

Blindado da Tropa de Choque da PM do Rio Grande do Norte entra na penitenciária estadual de Alcaçuz, na Grande Natal (Foto: Fred Carvalho/G1)
Presos amanhecem no telhado da penitenciária, de Alcaçuz, a maior do Rio Grande do Norte, em rebelião. Quando a Tropa de Choque entrou no presídio, eles já estavam fora dos telhados (Foto: Fred Carvalho/G1)
 
Familiares de detentos aguardam em frente à penitenciária de Alcaçuz (Foto: Anderson Barbosa/G1

A PM afirma que a área externa está sob o controle das autoridades. As saídas foram bloqueadas e o Corpo de Bombeiros fez barricadas no local. "Não há registro de nenhuma ação externa aos presídios. O problema está restrito a Alcaçuz e a população pode seguir com suas atividades dentro da normalidade", afirmou o governo, em nota.

O motim
A rebelião começou por volta das 17h de sábado (horário local, 16h em Brasília), após uma briga entre presos dos pavilhões 4 e 5. Segundo o governo, a briga estava restrita aos dois pavilhões. O pavilhão 5 é o presídio Rogério Coutinho Madruga, que fica anexo a Alcaçuz. Há separação entre presos de facções criminosas entre os dois presídios.

Segundo a presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários, Vilma Batista, homens em um carro se aproximaram do presídio antes da rebelião e jogaram armas por sobre o muro.

A Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed) diz em nota que as mortes são "resultado de uma briga entre facções rivais". Já o governo do estado afirma que "'estão sendo levantadas informações acerca do envolvimento de facções criminosas".

Auxílio
Em entrevista ao Jornal Nacional, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, disse que o combate ao crime organizado dentro dos presídios será intensificado. Sobre a rebelião, o ministro afirma estar "aguardando, eventualmente, o pedido de algum auxílio". "Obviamente, em havendo esse pedido, o auxílio será imediato”, afirmou Moraes.

"O sistema está superlotado há muito tempo. Eu costumo repetir que não há passo de mágica pra solucionar um problema crônico no Brasil. É um problema que, governo após governo, vem se ampliando", afirmou. "Nós temos aproximadamente, hoje, 650 mil presos. Com um deficit de quase 300 mil vagas. Obviamente, isso acaba tornando o sistema um barril de pólvora".

O governador do Estado, Robinson Faria, afirmou ter entrado em contato com o ministro, para que o governo federal acompanhe a situação do Estado.

Presos se abrigam nos telhados da penitenciária de Alcaçuz (Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi)

A Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed) emitiu nota afirmando ter montado um Gabinete de Gestão Integrada (GGI) para executar as ações a serem empregadas na rebelião do presídio de Alcaçuz.

"Já estão no local o Batalhão de Operações Especiais (Bope), o Batalhão de Choque e a Força Nacional para evitar mais confrontos e controlar a situação. Há registro de mortes resultado de uma briga entre facções rivais", afirma a secretaria.

Rebeliões e fugas
A última rebelião em Alcaçuz foi registrada em novembro de 2015. Houve quebra-quebra após a descoberta de um túnel escavado a partir do pavilhão 2. “Assim que acabou a visita social, por volta das 15h, os presos se amotinaram”, disse o secretário de Justiça da época, Cristiano Feitosa.

Mais de 100 presos conseguiram escapar do presídio no ano passado, em 14 fugas. A maioria deixou o presídio por meio de túneis escavados a partir dos pavilhões ou por buracos abertos no pé do muro, sempre sob uma guarita desativada ou sem vigilância.

Força Nacional
Na segunda-feira (9), o Ministério da Justiça prorrogou por mais 60 dias a presença da Força Nacional de Segurança no Rio Grande do Norte. Os policiais enviados pelo governo federal estão atuando no patrulhamento das ruas e podem atuar na segurança do perímetro externo das unidades prisionais localizadas na Grande Natal.

A Força Nacional chegou ao estado em março de 2015, durante a série de motins no sistema prisional do estado, e o prazo de apoio poderá ser novamente prorrogado, caso haja necessidade.


Presos se rebelaram na tarde deste sábado (14), em Alcaçuz (Foto: Divulgação/PM)

Calamidade pública
O sistema penitenciário potiguar entrou em calamidade pública no mesmo mês, em março de 2015. Na ocasião, foram gastos mais de R$ 7 milhões para recuperar 14 presídios depredados durante motins, mas as melhorias foram novamente destruídas. Atualmente, em várias unidades as celas não possuem grades e os presos circulam livremente dentro dos pavilhões.

Segundo a Secretaria de Justiça e da Cidadania (Sejuc), órgão responsável pelo sistema prisional do estado, o Rio Grande do Norte possui 33 unidades prisionais, que oferecem 3,5 mil vagas, mas a população carcerária é de 8 mil presos - ou seja, o déficit é de 4,5 mil vagas.

Acre e Amazonas
Na quinta-feira (12), presos apontados pelos setores de inteligência do Acre e do Amazonas como líderes de facções criminosas chegaram à penitenciária federal de Mossoró, na região oeste do Rio Grande do Norte. Ao todo, foram 19 detentos que foram trazidos em uma operação especial para o presídio potiguar - 14 do Acre e 5 do Amazonas.

Saiba tudo sobre Alcacuz: Polícia entra em Alcacuz; 12 mortes ja foram confirmadas

Por volta das 16h deste sábado (14) detentos do Pavilhão 4 conseguiram invadir o Pavilhão 5 e iniciaram uma rebelião na maior Penitenciária Estadual do Rio Grande do Norte. Não demorou muito para o Governo do Estado confirmar 12 mortes de presos.

Segundo os agentes plantonistas na Penitenciária de Alcacuz ao 190RN, os presos conseguiram se armar com barras de ferro e facas e acabaram executando outros detentos. Corpos foram decaptados como sinal de resposta a facções rivais. Mesmo com o rápido envio das Forças policiais ao local, a Secretaria de Segurança e a de Justiça preferiram aguardar o amanhecer deste domingo para entrar na unidade. A noite foi de tiros de contenção para evitar uma nova rebelião.

Em nota, o Governo do Estado disse que está tomando todas as medidas para conter a situação e que está reunido com o tribunal de Justiça, Ministério Público, OAB, Polícia Militar, Civil, Corpo de Bombeiros, Itep e o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu), para encontrar a melhor solução para o caso.

Uma equipe do Itep entrará na unidade pela manhã para remover os corpos e tentar identificar. As famílias de alguns presos ficaram desesperadas na área externa da unidade, mas foram contidas pela Polícia Militar.

Nenhuma outra unidade do Estado registrou alterações durante e após a rebelião em Alcacuz.


*190 RN.

Concursos: 11 órgãos abrem inscrições para 911 vagas no início da semana

Os salários chegam a R$ 27.500,17 no Tribunal Regional Federal da 2ª Região. Somente na Sucen, em São Paulo, são 319 vagas.

Do G1
Pelo menos 11 órgãos abrem inscrições de concursos públicos, na segunda-feira (16), para 911 vagas e formação de cadastro de reserva em cargos de níveis fundamental, médio e superior. Os salários chegam a R$ 27.500,17 no Tribunal Regional Federal da 2ª Região. Somente na SSucen, em São Paulo, são 319 vagas.

CONFIRA AQUI A LISTA COMPLETA DE CONCURSOS E OPORTUNIDADES

CEARÁ: OS PROFETAS DA CHUVA

No sertão do Ceará, homens simples, do campo, se reúnem, há 21 anos, para fazer previsões sobre o período de chuva que começa agora. São chamado de profetas da chuva.

As consequências dos cinco anos seguidos de seca estão no sofrimento dos moradores, dos rebanhos e nos mapas da meteorologia. Eles demonstram a abrangência dos estragos, por exemplo, na agropecuária e reservatórios. É a faixa mais escura em todos os estados do Nordeste.

Mostram também a quantidade de áreas com chuva abaixo da média. Tudo o que não está em azul. Os próximos meses são decisivos porque é a época de chuva na maioria dos estados. A previsão para o período ainda vai ser divulgada, mas já é certeza o que vai ser necessário para mudar o quadro atual.

“A gente teria que ter, por exemplo, um março muito bom, um abril melhor ainda, dois meses consecutivos chovendo acima da média para a gente conseguir recuperar os reservatórios”, explica Meyre Sakamoto, da Fundação Cearense de Meteorologia