quarta-feira, 12 de abril de 2017

APODI-RN: Menor confessa autoria de crime que matou vigilante do IFRN de Apodi sem demostrar arrependimento

Após intenso trabalho de investigação, o delegado de Apodi, bacharel Renato da Silva Oliveira, conseguiu identificar os autores do homicídio do vigilante do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN/Apodi), Cabral Neto, assassinado com seis tiros, na manhã de terça-feira (11/04), na calçada da sua residência, quando o mesmo chegava do plantão no IFRN, por dois homens em uma moto.
A Policia Militar também atuou em conjunto com a Policia Civil para chegar aos suspeitos pelo homicídio.
A polícia chegou aos suspeitos, através de informações repassadas pela população via Disque Denúncia da Polícia Civil pelo Aplicativo WhatsApp Messenger (84) 99119-0123, criado momentos após o homicídio que comoveu a população apodiense. O primeiro a ser identificado foi um menor de idade que fora identificado como sendo o responsável pelos disparos.
Ainda ontem, os policiais levaram o menor ao Instituto Técnico-Científico de Perícia – ITEP/Mossoró, onde passou por exame de residuográfico de chumbo, onde fora apontados resíduos de pólvora na mão do jovem.
Em depoimento na manhã dessa quarta-feira (12), na companhia de sua mãe, na Delegacia de Polícia de Apodi, o menor que tem 17 anos de idade, e uma tatuagem em um dos braços com a frase “Vida Bandida”, e suas redes sociais com apologia ao crime e facções criminosas, confessou de forma fria, e sem o mínimo arrependimento a autoria do homicídio para polícia.
De acordo com o delegado Renato Oliveira, o menor contou que juntamente com outro comparsa, foram assaltar o vigilante, mas a vítima teria reagido. “A nossa intenção era tomar a moto e a mochila, mas como ele reagiu, foi preciso derrubá-lo, pois quando ele percebeu que era um assalto, tentou tomar o meu ferro”, disse o menor ao delegado.
Durante o interrogatório, o menor informou o nome do outro homem que participou do crime e passou todos os nomes dos membros de uma facção criminosa que vem praticando crimes de homicídio e assaltos na região de Apodi.

*Por Trás das Grades RN.

Águas do São Francisco chegam à bacia do açude de Boqueirão

Depois de meses de espera e ansiedade, as águas do rio São Francisco finalmente chegaram à bacia do açude Epitácio Pessoa (Boqueirão).
A informação foi confirmada pelo presidente da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa), João Fernandes.
Segundo João, a chegada da água à bacia do açude ocorreu na madrugada desta quarta-feira (13), por volta de meia-noite, e foi agilizada graças às chuvas registradas ontem na região do Cariri, especialmente entre os municípios de Caraúbas e Cabaceiras, onde as precipitações atingiram a marca de 44 milímetros em pouco mais de duas horas.

*O Xerife.

APODI-RN: HOMEM É MORTO A TIROS NO LOCAL DE TRABALHO

O crime aconteceu na manhã de hoje, 12 de abril, na cidade de Apodi, no Oeste do Rio Grande do Norte.
A central de operações da Polícia Militar do Município de Apodi, região oeste do Estado do Rio Grande do Norte, registrou na manhã de hoje quarta feira, 12 de Abril de 2017 mais uma morte violenta neste município.
Segundo informações, a vítima foi identificada como Maykon Alessandro Fernandes Pompeu, o mesmo foi morto em via pública, nas próximo ao Bar do Leão.
Maykon estava lavando um veículo, quando foi surpreendido e morto com vários tiros, a Polícia Militar foi ao local, fez o trabalho de isolamento no local de crime.
A delegacia de Polícia Civil no comando do Dr. Renato Oliveira é quem vai investigar mais esse crime de homicídio na cidade, o segundo crime de homicídio em menos de 24 horas na cidade de Apodi. Já são 9 crimes de homicídios só ano de 2017 em Apodi.

Citações da Odebrecht contra ex-presidentes vão para primeira instância

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin determinou que as citações de ex-executivos da Odebrecht aos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff sejam enviadas para a primeira instância da Justiça.
O pedido foi feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) pelo fato de os acusados não terem mais foro privilegiado no STF.

*O Xerife.