Mostrando postagens com marcador TRAGÉDIA. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador TRAGÉDIA. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 9 de abril de 2019

RUSSAS-CE: PAI MATA A FILHA COM UM TIRO ACIDENTAL E COMETE SUICÍDIO

Uma tragédia deixou a cidade de Russas-CE abalada na noite dessa segunda-feira dia 08/04, um pai matou a própria filha de 9 anos com um tiro e logo em seguida tirou a própria vida.
Segundo informações repassadas a nossa equipe, é que um Professor bastante conhecido na cidade chamado e identificado até o momento por ‘André’, matou a filha de 9 anos, com um tiro e se matou em seguida.
Ainda de acordo com informações, a arma que estaria sendo manuseada por André, disparou acidentalmente contra a criança, o pai não se conformou e enforcou-se tirando também a própria vida. A arma utilizada no crime foi uma espingarda calibre 12, arma essa que foi recolhida pela Polícia para realização de Perícia.
A Polícia está investigando o caso e analisa também outras versões sobre o fato.


*Informações: Limoeiro Plantão Policial.

quarta-feira, 13 de março de 2019

Assassino postou fotos com arma minutos antes do massacre em Suzano

Foto que Guilherme postou minutos antes de cometer o massacre em Suzano. — Foto: Reprodução/Facebook
Um dos assassinos do massacre da Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano (SP), que deixou 10 pessoas mortas nesta quarta-feira (13), Guilherme Taucci de Monteiro, de 17 anos, publicou no Facebook, minutos antes do ataque, fotos com uma máscara de caveira e com uma arma. 
Foto que Guilherme postou minutos antes de cometer o massacre na Escola Estadual Raul Brasil. — Foto: Reprodução/Facebook
Em post feito às 9h34, ele publicou cerca de 20 fotos na rede social em que aparece fazendo gestos obscenos, segurando um revólver e usando no rosto um lenço com um desenho de caveira — item semelhante foi encontrado no local do crime.
Fotos do Facebook de um dos assassinos da escola de Suzano — Foto: Reprodução/Facebook
Guilherme Taucci Monteiro, um dos autores do massacre de Suzano — Foto: Reprodução
Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, um dos autores do massacre de Suzano — Foto: Arquivo pessoal
Guilherme e Henrique Castro, de 25 anos, mataram oito pessoas e em seguida cometeram suicídio. Eles eram ex-alunos da escola estadual Raul Brasil, segundo informou o secretário de Segurança Pública de São Paulo, João Camilo Pires de Campos. Outras oito pessoas ficaram feridas. 

*Do G1

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

BRUMADINHO-MG: UM MÊS DO CRIME DA VALE

Há um mês, no dia 25 de janeiro, os moradores da cidade de Brumadinho, em Minas Gerais, tornaram-se vítimas de uma das maiores tragédias socioambientais do mundo. O rompimento da barragem da mineradora Vale, no Córrego do Feijão, causou a morte de 179 pessoas. Trabalhadores, mães, pais, filhos e filhas, soterrados pela avalanche de lama tóxica, vítimas de um crime, mais uma vez, protagonizado pela maior mineradora do Brasil. Outras 134 pessoas ainda não foram encontradas. 
Assim como os atingidos de Mariana (MG), vítimas do rompimento da barragem do Fundão, da Samarco, há mais de três anos, a falta de informações, a dor, o luto e a revolta, agora são parte do cotidiano dos moradores de Brumadinho, que denunciam, em meio a tantas vozes embargadas, que a Vale é responsável pelo desastre. Hoje, 30 dias após o crime, muitas famílias ainda sobrevivem com a angústia de não poder enterrar seus entes queridos.
A dimensão dessa tragédia anunciada, resultado de um modelo de mineração predatório adotado pela Vale e outras mineradoras que exploram territórios nacionais, é também ambiental. Não há mais possibilidade de vida no rio Paraopeba ou até mesmo em suas margens. Suas águas claras, após o crime da Vale, se tornaram um mar de lama.
Mais de 700 barragens são "de alto risco" no Brasil e outras 45 estão com as estruturas comprometidas. Quantas tragédias como a de Brumadinho e Mariana poderiam ser evitadas? Até quando tantas pessoas ainda serão vítimas desse modelo de mineração que privilegia o lucro em detrimento de todas as formas de vida?


Hoje, 25 de fevereiro:

Um mês após a tragédia, o número de mortos identificados chega a 179 e 141 vítimas seguem desaparecidas. Numero de moradores desabrigados.



*Por Lu Sudré-Brasil de Fato.

sábado, 23 de fevereiro de 2019

BRUMADINHO-MG: Número de mortos chega a 177; há ainda 133 desaparecidos

Um novo balança sobre as vítimas da tragédia de Brumadinho (MG) foi divulgado nessa sexta-feira (22) pela Defesa Civil e pelo Corpo de Bombeiros. O número de mortos pela queda da barragem da Mina do Feijão, da mineradora Vale, chegou a 177. Ainda há 133 pessoas desaparecidas, sendo 103 funcionários terceirizados e moradores das comunidades atingidas e 30 funcionários da Vale.
Segundo destaca o UOL, 117 bombeiros trabalham nas buscas na lama.
Nessa sexta, foi encontrado um contêiner – possivelmente utilizado como sala de reuniões pelos funcionários. No entanto, os bombeiros não confirmam se a atualização do número de mortos tem relação com o almoxarifado – encontrado na quinta-feira – e o contêiner.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

BRUMADINHO-MG: NÚMERO DE MORTOS SOBE PARA 169

Divulgação Corpo de Bombeiros de Minas Gerais
O Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais atualizou para 169 o número de mortes em decorrência do rompimento de uma barragem da mineradora Vale em Brumadinho. Mais cedo, a corporação informou que dois corpos foram retirados da lama de rejeitos nos últimos dois dias. Fragmentos de corpos também foram localizados pelas equipes nas últimas horas.
De acordo com boletim da Defesa Civil do estado divulgado hoje (17), todos os óbitos já foram identificados. A tragédia na mina Córrego do Feijão, nos arredores da capital Belo Horizonte, deixou ainda 141 pessoas desaparecidas – entre funcionários da mineradora, terceirizados que prestavam serviços à Vale e membros da comunidade.
As buscas seguem na cidade desde o rompimento da barragem da mineradora Vale, no dia 25 de janeiro. Os rejeitos invadiram áreas da Mina do Córrego do Feijão, onde a estrutura estava, e das proximidades, deixando um rastro de mortes e destruição.
Desde o início das buscas, foram localizadas 393 pessoas, das quais 224 da “lista da Vale” e 169 da comunidade. Não há mais hospitalizados, segundo o balanço atualizado pela Defesa Civil.


*VNT.

domingo, 10 de fevereiro de 2019

BRUMADINHO-MG: COM AJUDA DE CÃES FAREJADORES, BOMBEIROS CONTINUAM TRABALHANDO NAS BUSCAS POR DESAPARECIDOS

Com a ajuda de 19 cães farejadores, os trabalhos de buscas por vítimas do rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho (MG), entraram no 17° dia neste domingo (10). Até o momento, 157 mortes foram confirmadas e 165 pessoas seguem desaparecidas.
Onze aeronaves são usadas, além de 35 máquinas. Os trabalhos começaram às 8h. Segundo o Corpo de Bombeiros, o efetivo neste domingo soma 352 militares, sendo 150 de Minas Gerais, 129 de outros estados, 64 da Força Nacional e 09 voluntários.
Segundo os bombeiros, os trabalhos se concentram na usina ITM, na área administrativa – refeitório, casa e estacionamento –, na área da ferrovia, em áreas de acúmulo de rejeito. São 35 equipes em campo.
O tenente-coronel Eduardo Ângelo, do Corpo de Bombeiros, afirmou neste sábado (9) que a área de buscas foi dividida em quase 200 micropontos. “Um detalhe que é importante a gente salientar é que a gente iniciou a partir de hoje, desde já, o trabalho dentro das quadrículas, que são micropontos dentro do campo, aonde a gente vai começar a atuar e fazer varredura de toda a área. A nossa expectativa é que, dentro em breve, a gente consiga varrer toda área à medida que a gente for encerrando as quadriculas”, explicou. 

*Informações: G1.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

BRUMADINHO-MG: SOBE PARA 157 O NÚMERO DE MORTOS ENCONTRADOS

A Defesa Civil de Minas Gerais informou, na tarde desta quinta-feira (7), que subiu para 157 o número de mortes em consequência do rompimento da barragem de rejeitos da mina Córrego do Feijão, há cerca de duas semanas, em Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte.
Deste total, foram identificadas 134 vítimas. As equipes ainda buscam 182 desaparecidos. Segundo a Defesa Civil, entre os não localizados, 55 são da equipe da Vale, proprietária da mina, e os demais (127) são moradores e turistas que estavam nos arredores da barragem rompida.
Já os localizados totalizaram 393. Destes, 294 são classificados pela Defesa Civil como encontrados da lista da mineradora e 169 de moradores da comunidade. O balanço da Defesa Civil ainda registra a existência de 133 desabrigados, que foram retirados de suas casas, que apresentavam riscos ou foram destruídas, tendo sido levados a hotéis. Três pessoas ainda estão hospitalizadas.


Prefeitura
Hoje, em entrevista coletiva, o prefeito de Brumadinho, Avimar de Melo, informou que está negociando com a Vale e com um fundo internacional, de origem canadense, um aporte de recursos para reconstrução da cidade. Melo não detalhou, porém, os integrantes do fundo, nem os valores da ajuda.
O prefeito também reiterou que continua em negociações diretas com a Vale para o apoio às vítimas do rompimento da barragem e o custeio das despesas de atendimento aos atingidos e de reconstrução da cidade e das estruturas devastadas ou prejudicadas. 


*Agência Brasil – EBC.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

BRUMADINHO-MG: Número de mortos chega a 150; 182 estão desaparecidos

Segundo a Polícia Civil de Minas Gerais, dos 134 corpos identificados, 124  foram liberados e entregues às famílias - Washington Alves/Reuters/Direitos Reservados
O número de mortos após o rompimento de uma barragem de rejeitos da mineradora Vale em Brumadinho, Minas Gerais, subiu para 150, conforme balanço divulgado hoje (6) pela Defesa Civil do estado. Desse total, 134 vítimas foram identificadas e 16 permanecem sem identificação até o momento.
Ainda de acordo com a atualização, 182 pessoas continuam desaparecidas, sendo 55 funcionários da Vale e 127 terceirizados e membros da comunidade.
A tragédia deixou, ao todo, 103 desabrigados. Três pessoas permanecem hospitalizadas.


*VNT.

BRUMADINHO-MG: NÚMERO DE MORTOS SOBE PARA 142

O número de mortos confirmados em decorrência da tragédia do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG) subiu para 142. Destes, 122 foram identificados e 20 estão sem reconhecimento. As informações foram atualizadas pela Defesa Civil de Minas Gerais no fim da tarde de hoje (5).

Segundo o boletim do órgão, ainda há 194 desaparecidos, sendo 61 da listagem da Vale e 133 de trabalhadores terceirizados ou pessoas da comunidade. Já os localizados totalizam 392, sendo 223 da lista da mineradora e 169 terceirizados ou da comunidade.

No balanço divulgado ontem (4), haviam sido registrados 134 pessoas mortas na tragédia, 199 desaparecidas e 394 localizadas.

Os dados da Defesa Civil atualizam também desabrigados e hospitalizados. No primeiro grupo encontram-se 103 pessoas, que foram deslocadas para alojamentos temporários, como hoteis. Entre as pessoas em tratamento em hospitais restam três vítimas.

Soltura de presos

Hoje o Superior Tribunal de Justiça decidiu pela soltura de cinco pessoas presas no dia 29 de janeiro acusadas de envolvimento na tragédia. Entre elas estavam engenheiros, geólogos e outros técnicos da Vale e da empresa que assinou laudo assegurando as condições de segurança da barragem.

Agência Brasil/JBelmont.

domingo, 3 de fevereiro de 2019

BRUMADINHO-MG: Número de mortos sobe para 121

O Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais atualizou os números dos trabalhos de resgate de vítimas em Brumadinho (MG). O número de mortes confirmadas subiu de 115 para 121, com 93 corpos identificados. Além disso, são 226 desaparecidos e 395 pessoas localizadas.
Os bombeiros trabalham na região com 294 militares, 15 aeronaves, 22 cães farejadores e seis drones.
Segundo já adiantou o Corpo de Bombeiros Militar do estado, não há como prever uma data de encerramento das buscas por vítimas. “A perspectiva é que, ao longo do tempo, com a lama se estabilizando, a gente vá mudando as técnicas operacionais e, a partir daí, a gente tenha um panorama. Hoje, é impossível cravar uma data final das operações. Infelizmente, não”, afirmou ontem (2) em coletiva de imprensa o chefe da equipe, coronel Erlon Dias do Nascimento Botelho.
Diversas diligências têm sido estabelecidas pelas autoridades governamentais e pela mineradora, após o incidente, que provocou, inclusive, o adiamento do início do período letivo das escolas do município, que abrangem cerca de 6 mil alunos.
A Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, indicou os membros de uma força-tarefa para investigar as responsabilidades do rompimento da Barragem 1 da Mina do Córrego do Feijão, da mineradora Vale.

Agência Brasil/BG.

sábado, 2 de fevereiro de 2019

BRUMADINHO-MG: Sobe para 115 número de mortos na tragédia

Ana Graziela Aguiar/TV Brasil
A Defesa Civil de Minas Gerais informou hoje (1º) que aumentou o número de mortos e desaparecidos entre as vítimas do rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte. O balanço revelou 115 mortos, 248 desaparecidos e 395 localizados. Dos mortos, 71 foram identificados.

Segundo a Defesa Civil, aumentou o número de desaparecidos a partir de informações transmitidas ao serviço de ouvidoria da empresa Vale. Por isso, foram incluídos mais dez nomes na relação de desaparecidos.

O porta-voz do Corpo de Bombeiros, Pedro Aihara, avaliou que o ritmo de identificação dos corpos deve diminuir. A partir de agora, o trabalho fica mais complexo por se tratar de vestígios de mais difícil acesso abaixo da lama. “Agora os trabalhos são mais delicados, de escavação. É necessário fazer toda a nivelação do solo. E mesmo com o corpo encontrado, por conta da decomposição é necessário um trabalho minucioso”, explicou.

Ele comentou que os bombeiros não podem eliminar a chance de encontrar pessoas com vida, mas que, diante das dimensões do desastre, a possibilidade de isso ocorrer é “pequena”.

Aihara não deu previsão de até quando os trabalhos de busca devem continuar. No caso de vítimas posicionadas dentro de estruturas, exemplificou, o raio de procura seria menor. Já aquelas pessoas que estavam no campo aberto podem ter sido projetadas para distâncias maiores.

Diante dessas situações diversas, acrescentou, é difícil prever. O representante do Corpo de Bombeiros lembrou que em Mariana as equipes designadas mantiveram as buscas por três meses.


*VNT.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

BRUMADINHO-MG: Sobe para 110 mortos, dos quais 71 foram identificados

Sobe para 110 mortos, dos quais 71 foram identificados em Brumadinho
A Defesa Civil de Minas Gerais informou hoje (31) que aumentou o número de mortos no desastre da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte. Pelo último balanço, são 110 mortos, 238 desaparecidos e 394 identificados. Dos mortos, 71 foram identificados por exames realizados pela Polícia Civil. Também há 108 desabrigados e seis pessoas hospitalizadas.
A Polícia Civil toma depoimentos de sobreviventes e coleta amostras de DNA. Segundo a Polícia Civil, foi coletado material de 210 pessoas que representam 108 famílias. Os trabalhos vão prosseguir.
De acordo com o Corpo de Bombeiros, mais de 360 militares atuam na párea com apoio de 15 aeronaves e 21 cães farejadores. Ontem (30), chegou uma equipe de Santa Catarina e uma aeronave do Espírito Santo. Há, ainda, 66 voluntários, que atuam entre área seca e a inundada. Estes voluntários são pessoas com qualificação técnica.


*VNT.

BRUMADINHO-MG: 45 ANIMAIS FORAM RESGATADOS PELOS BOMBEIROS NESTA QUARTA

Bombeiro sujo de lama segura galo resgatado da lama em Brumadinho, após rompimento de barragem da Vale — Foto: Adriano Machado/Reuters
Pelo menos 45 animais foram resgatados com vida nesta quarta-feira (30) pelo Corpo de Bombeiros em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A informação foi postada pela corporação nas redes sociais, com uma foto de uma galinha retirada da lama.
Outras equipes também atuam para salvar os animais. É o caso de veterinários voluntários que circulam por áreas do município, devastado pelos rejeitos da barragem, para tentar encontrar e cuidar dos bichos. A repórter Tábata Poline, do MG2, acompanhou um grupo nesta quarta-feira.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

BRUMADINHO-MG: Os mortos na tragédia em Brumadinho: 84 corpos localizados, 51 identificados

As 22 primeiras vítimas a serem identificadas em Brumadinho — Foto: Reprodução/TV Globo
A tragédia do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG) deixou ao menos 84 mortos, dos quais 51 foram identificados até a última atualização desta reportagem. Há também uma lista de pessoas desaparecidas e uma lista com pessoas resgatadas vivas.

Veja os nomes das vítimas identificadas:
  1. Adriano Caldeira do Amaral
  2. Alano Reis Teixeira
  3. Alex Rafael Piedade
  4. Anailde Souza Pereira
  5. André Luiz Almeida Santos
  6. Camila Santos De Faria
  7. Carlos Roberto Deusdeti
  8. Cláudio José Dias Resende
  9. Cleosane Coelho Mascarenhas
  10. Cristiano Vinicius Oliveira de Almeida
  11. Daniel Muniz Veloso
  12. David Marlon Gomes Santana
  13. Djener Paulo Las-Casas Melo
  14. Duane Moreira De Souza
  15. Edgar Carvalho Santos
  16. Edymaira Samara Rodrigues Coelho
  17. Ednilson dos Santos Cruz
  18. Eliandro Batista de Passos
  19. Eudes José de Paula
  20. Fabricio Henriques da Silva
  21. Flaviano Fialho
  22. Francis Marques da Silva
  23. Janice Helena do Nascimento
  24. João Paulo de Almeida Borges
  25. Jonatas Lima Nascimento
  26. Leonardo Alves Diniz
  27. Luiz de Oliveira Silva
  28. Luiz Taliberti Ribeiro da Silva
  29. Marcelle Porto Cangussu
  30. Marcelo Alves de Oliveira
  31. Márcio Coelho Barbosa Mascarenhas
  32. Márcio Mascarenhas
  33. Marcus Tadeu Ventura do Carmo
  34. Maurício Lauro de Lemos
  35. Moisés Moreira Sales
  36. Ninrode de Brito Nascimento
  37. Reinaldo Fernandes Guimarães
  38. Renildo Aparecido do Nascimento
  39. Renato Rodrigues Maia
  40. Ricardo Eduardo da Silva
  41. Robson Máximo Gonçalves
  42. Roliston Teds Pereira
  43. Rosilene Ozorio Pizzani Mattar
  44. Sirlei de Brito Ribeiro
  45. Thiago Mateus Costa
  46. Wanderson Soares Mota
  47. Wanderson de Oliveira Valeriano
  48. Wellington Alvarenga Benigno
  49. Wellington Campos Rodrigues
  50. Willian Jorge Felizardo Alves
  51. Wiryrlan Vinicius Andrade de Souza
Mais sobre a tragédia:
AO VIVO: Acompanhe a cobertura
FOTOS: As imagens da tragédia


*G1 Minas.

BRUMADINHO-MG: 'HAVIA MEIOS DE SE EVITAR A TRAGÉDIA', DIZ JUÍZA QUE MQNDOU PRENDER CINCO QUE ATESTARAM SEGURANÇA EM BARRAGEM

A juíza que decretou a prisão de cinco suspeitos de responsabilidade no rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, disse que “havia meios de se evitar a tragédia”. A afirmação está no mandado de prisão cumprido pela polícia na manhã desta terça-feira (29), em Minas Gerais e São Paulo.

O mar de lama que varreu a cidade na sexta (25) matou ao menos 65 pessoas e deixou outras 288 desaparecidas, segundo o último balanço da Defesa Civil.

Foram presos temporariamente, por 30 dias: André Yassuda – engenheiro da TÜV SÜD, que prestava serviço para Vale, preso em SP; Makoto Namba – engenheiro da TÜV SÜD, que prestava serviço para Vale, preso em SP; Cesar Augusto Paulino Grandchamp – geólogo da Vale, preso em MG; Ricardo de Oliveira – gerente de Meio Ambiente Corredor Sudeste da Vale, preso em MG; Rodrigo Artur Gomes de Melo – gerente executivo do Complexo Paraopeba da Vale, preso em MG.

Os cinco foram levados para a Penitenciária Nelson Hungria, na região metropolitana de BH.

A juíza Perla Saliba Brito afirma que o geólogo Grandchamp e os engenheiros Yassuda e Namba “subscreveram recentes declarações de estabilidade das barragens” da Vale, “informando que tais estruturas se encontravam em consonância com as normas de segurança, o que a tragédia demonstrou ser inverídico”.

Sobre os gerentes da Vale detidos, Oliveira e Melo, a magistrada diz que ambos “são diretamente responsáveis pelo regular licenciamento e funcionamento das estruturas das barragens, incumbindo-lhes o efetivo monitoramento das barragens que se romperam”.

Para a juíza, as prisões são necessárias porque há indícios de autoria ou participação dos cinco em crimes ambientais, de falsidade ideológica e homicídios. Outro objetivo, segundo ela, é ajudar os investigadores a descobrirem se há vínculos entre eles, bem como definir a responsabilidade de cada um na tragédia.

A magistrada também determinou a apreensão dos celulares dos presos, já que neles pode haver “documentos relacionados ao licenciamento e à operação do complexo minerário, bem como porque a maioria das conversas mantidas atualmente se dá mediante aplicativos de redes sociais”.

“Aliás, convém salientar que especialistas afirmam que há sensores capazes de captar, com antecedência, sinais do rompimento, através da umidade do solo, medindo de diferentes profundidades o conteúdo volumétrico de água no terreno e permitindo aos técnicos avaliar a pressão extra provocada pelo peso líquido”, acrescenta Perla no mandado.

O G1 não conseguiu contato com a defesa dos presos.

Por meio de nota divulgada após a prisão dos engenheiros, a Vale informou que “está colaborando plenamente com as autoridades”. A mineradora acrescentou que “permanecerá contribuindo com as investigações para a apuração dos fatos, juntamente com o apoio incondicional às famílias atingidas”.

Também por meio de nota, a TÜV SÜD Brasil, responsável pelas análises de segurança da barragem, informou que “não irá se pronunciar neste momento e fornece todas as informações solicitadas pelas autoridades”.

A TÜV SÜD Brasil informou, ainda, lamentar “profundamente o rompimento da Barragem I da Mina de Córrego do Feijão”. Segundo a empresa, foram feitas duas avaliações da barragem a pedido da Vale: “uma revisão periódica da segurança da barragem (junho de 2018) e uma inspeção regular da segurança da barragem (setembro de 2018)”.

*G1

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

BRUMADINHO-MG: AUTORIDADES CONFIRMAM 65 MORTOS E 31 VITIMAS IDENTIFICADAS

O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais atualizou para 65 o número de mortos confirmados no rompimento da barragem de Brumadinho (MG). São 279 desaparecidos, ainda segundo a corporação. Entre os mortos, são 31 vítimas identificadas.
Segundo o tenente-coronel Flávio Godinho, da Defesa Civil, 386 pessoas foram localizadas pelas equipes de resgate na região de Brumadinho (MG).
Os dados são da Defesa Civil, do Corpo de Bombeiros e das polícias Militar e Civil.
Segundo o tenente Pedro Aihara, do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, o número de mortos confirmados provavelmente deve aumentar na terça-feira, 29. De acordo com o tenente, há locais em que o trabalho de recuperação de corpos já iniciou e deve ser concluído na terça.

*Estadão Conteúdo.

BRUMADINHO-MG: BOMBEIROS CONFIRMAM 60 MORTOS E 292 DESAPARECIDOS

Divulgação PM-MG
O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais informou na manhã desta segunda-feira (28) que o número de mortos em Brumadinho (MG) devido ao rompimento de uma barragem da Vale subiu para 60. O número de vítimas fatais até o momento era de 58.

Das 60 vítimas fatais, apenas 19 foram identificadas oficialmente.

Segundo informações do tenente Pedro Aihara, porta-voz dos bombeiros, 292 pessoas ainda estão desaparecidas e 382 vítimas foram localizadas.

Confira o balanço divulgado às 10h30(horário de Brasília):
292 desaparecidos
382 localizados
192 resgatados
60 óbitos
19 corpos identificados


(Informações chanceladas pela defesa civil, cbmmg, polícia militar e policia civil)

Mais cedo, o tenente Aihara afirmou que é muito difícil de encontrar sobreviventes após 48 horas de operação. “Em um desabamento de prédio, por exemplo, existem bolsões de ar, quando se tem toda essa lama é diferente porque não há acessos para a entrada do ar.”

Neste domingo (27), um segundo ônibus foi encontrado, soterrado pela lama, com vítimas dentro. O primeiro ônibus foi encontrado na manhã do último sábado (26) com ao menos 10 funcionários da Vale.

Para ajudar nas buscas de vítimas, um grupo de cerca de 130 militares médicos, engenheiros, bombeiros e técnicos de Israel começaram a trabalhar em Brumadinho nas primeiras horas desta segunda-feira (28).

Aproximadamente 280 bombeiros trabalham neste quarto dia de buscas.

*R7

BRUMADINHO-MG: Vale divulga nova lista com nome de 287 desaparecidos; veja nomes

A mineradora Vale divulgou na tarde de hoje (27) uma nova lista com os nomes de 287 funcionários desaparecidos. Na última lista, divulgada na tarde de ontem (26), havia 252 nomes.
De acordo com o Corpo de Bombeiros, até o momento foram registradas 37 mortes e resgatados 192 sobreviventes. Segundo a Polícia Civil, 16 dos 37 mortos já foram identificados. Oito corpos já foram entregues aos familiares.
Segundo a Vale, essas são as pessoas com quem a empresa não conseguiu travar contato desde o acidente ocorrido na última sexta-feira (25), alguns nomes parecem estar repetidos.

Confira a lista:
Adail Dos Santos Junior
Adair Custodio Rodrigues
Ademario Bispo
Adilson Saturnino De Souza
Adnilson Da Silva Do Nascimento
Adriano Aguiar Lamounier
Adriano Caldeira Do Amaral
Adriano Goncalves Dos Anjos
Adriano Junio Braga
Alaercio Lucio Ferreira
Alano Reis Teixeira
Alex Mario Moraes Bispo
Alex Rafael Piedade
Alexis Adriano Da Silva
Alexis Cesar Jesus Costa
Alisson Martins De Souza
Aloisio Carlos Mendes
Amanda De Araujo Silva
Amarina De Liordes Ferreira
Amauri Geraldo Da Cruz
Anailde Souza Pereira
Anderson Luiz Da Silva
Andre Luiz Almeida Santos
Andrea Ferreira Lima
Angélica Aparecida Ávila
Angelita Cristiane Freitas De Assis
Angelo Gabriel Da Silva Lemos
Anizio Coelho Dos Santos
Antônio Ribas
Armando Rage Grossi
Aroldo Ferreira De Oliveira
Bruna Lelis De Campos
Bruno Eduardo Gomes
Bruno Rocha Rodrigues
Camila Aparecida Da Fornseca Silva
Camila Aparecida De Oliveira
Camila Santos De Faria
Camilo De Lelis Do Amaral
Carla Borges Pereira
Carlos Alberto De Faria
Carlos Augusto Dos Santos Pereira
Carlos Eduardo De Farias
Carlos Eduardo De Souza
Carlos Eduardo Farias
Carlos Henrique De Faria
Carlos Roberto Da Silva
Carlos Roberto Da Silveira
Carlos Roberto Pereira
Cassia Regina Santos Souza
Cassio Cruz Silva Pereira
Cesar Augusto
Claudio Jose Dias Rezende
Claudio Leandro Rodrigues Martins
Claudio Marcio Dos Santos
Claudio Pereira Silva
Cleidson Aparecido Moreira
Cleiton Luiz Moreira Silva
Cleuzane Mascarenhas
Cristiane Antunes Campos
Cristiano Braz Dias
Cristiano Jorge Dias
Cristiano Serafim Ferreira
Cristiano Vinicius Oliveira De Almeida
Cristina De Paula Da Cruz Araújo
Daiana Caroline Silva Santos
Daniel Francisco Orlando
Daniel Guimaraes Almeida Abdalla
Daniel Muniz Veloso
David Marlon Gomes Santana
Davyson Christian Neves
Denilson Rodrigues
Dennis Augusto Da Silva
Diego Antonio De Oliveira
Diomar Custódio Da Silva
Dione Moreira De Souza
Dirceu Dias Barbosa
Djener Paulo Las Casas Melo
Duane Moreira De Souza
Edeni Do Nascimento
Edgar Carvalho Santos
Edimar Da Conceicao De Melo Sales
Edionio Jose Dos Reis
Edirley Antonio Campos
Ednilson Dos Santos Cruz
Edson Rodrigues Dos Santos
Edymayra Samara Rodrigues Coelho
Egilson Pereira De Almeida
Eliane De Oliveira Melo
Eliane Nunes
Eliandro Batista De Passos
Elis Moreira
Elis Morina
Eliveltom Mendes Santos
Elizabeth De Oliveira Espindola
Elizeu Caranjo De Freitas
Emael Gomes De Rezende
Emerson Jose Da Silva Augusto
Eridio Dias
Eudes Jose De Souza Cardoso
Eva Maria De Matos
Evandro Luiz Dos Santos
Evenir Nascimento
Everton Guilherme Ferreira Gomes
Everton Lopes Ferreira
Fabricio Lucio Faria
Fauller Douglas Da Silva Miranda
Felipe Jose De Oliveira
Fernanda Batista Do Nascimento
Fernanda Cristhiane Da Silva
Flaviano Fialho
Francis Eric Soares Silva
Francis Marques Da Silva
Genesio Veiga
George Conceicao De Oliveira
Geraldo De Medeiro Filho
Gilmar Jose Da Silva
Gilmar José Da Silva
Giovani Paulo Da Costa
Gisele Moreira Da Cunha
Gislene Conceicao Amaral
Glayson Leandro Da Silva
Gustavo Andrie Xavier
Gustavo Junior Souza
Heitor Prates
Helbert Vilhena Santos
Herminio Ribeiro Lima Filho
Hernane Junior Morais Elias
Hugo Maxs Barbosa
Iara Pereira Dos Santos
Icaro Douglas Alves
Izabela Barroso Câmara Pinto
Janice Helena Do Nascimento
Jhobert Donadonne Goncalves Mendes
João Marcos Ferreira Da Silva
João Marques Pereira Da Silva
Joao Paulo Autino
Joao Paulo De Almeida Borges
João Paulo Ferreira De Amorim Valadão
Joao Paulo Matar
Joao Paulo Pizzani Valadares Mattar
João Tomás De Oliveira
Joiciane De Fatima Dos Santos
Jonis Andre Nunes
Jorge Luiz Ferreira
Jose Carlos Domeneguete
José Dos Santos
Jose Eduardo Soares
Josiane De Souza Santos
Josilene Santos
Josue Oliveira Da Silva
Juliana Creizimar De Resende Silva
Juliana Esteves Da Cruz Aguiar
Juliana Parreiras Lopes
Julio Cesar Teixeira Santiago
Juraci Santos Padilha Souza
Jussara Ferreira Dos Passos
Katia Aparecida Da Silva
Katia Gisele Mendes
Laercio Leonardo Moraes
Lays Gabriela Souza Soares
Leandro Antonio Silva
Leandro Rodrigues Da Conceiçao
Lecilda De Oliveira
Lenilda Cavalcante Andrade
Lenilda Martins Cardoso Diniz
Leonardo Da Silva Godoy
Leonardo Pires De Souza
Leticia Mara Anizio De Almeida
Leticia Rosa Ferreira Arrudas
Levi Gonçalves Da Silva
Liz Mirna
Lourival Dias De Rocha
Luciana Aparecida Alves
Luciano De Almeida Rocha
Luciano Las Casas Goncalves
Lucio Rodrigues Mendanha
Luis Felipe Alves
Luiz Carlos Silva Reis
Luiz Cordeiro Pereira
Luiz De Oliveira Silva
Luiz Paulo Caetano
Manoel Wilton Alves De Souza
Marceleia Da Silva Prado
Marcelo Alves De Oliveira
Marciano Araujo Severino
Marcio De Freitas Grilo
Marcio Flavio Da Silva
Márcio Flávio Da Silveira Filho
Márcio Mascarenhas Filho
Marcio Paulo Mascarenhas
Marco Aurelio Santos Barcelos
Marcus Tadeu Ventura Do Carmo
Maria Bela Cardoso Alcantra
Marina De Lourdes
Marlon Rodrigues Goncalves
Martinho Ribas
Martinho Vidas
Mauricio Lauro De Lemos
Max Elias De Medeiros
Milton Xisto De Jesus
Miraceibel Rosa
Miraele Bil Rosa
Miramar Antonio Sobrinho
Mirdei Bil Rosa
Moel Borges
Moises Moreira De Sales
Natalia Fernanda Da Silva Andrade
Nathalia De Oliveira Porto Araujo
Nilson Dilermando Pinto
Ninrode De Brito Nascimento
Noe Sancao Rodrigues
Noel Borges
Olavo Henrique Coelho
Olimpo Gomes Pinto
Paulo Giovani Dos Santos
Paulo Natanael De Oliveira
Pedro Bernardino De Sena
Peterson Firmino Nunes Ribeiro
Priscila Elen Silva
Rafael Mateus De Oliveira
Ramon Junior Pinto
Rangel Do Carmo Januario
Reginaldo Garcia
Reinaldo Fernandes Guimarães
Reinaldo Goncalves
Reinaldo Simão De Oliveira
Renato Eustaquio De Sousa
Renato Rodrigues Da Silva
Renato Rodrigues Maia
Renato Vieira Caldeira
Renildo Aparecido Do Nascimento
Ricardo Eduardo Da Silva
Ricardo Henrique Veppo Lara
Robert Ruan
Roberto Ruan Oliveira Teodoro
Robson Mário
Rodney Sander Paulino Oliveira
Rodrigo Henrique De Oliveira
Rodrigo Miranda Dos Santos
Rodrigo Monteiro Costa
Rogerio Antonio Dos Santos
Roliston Teds Pereira
Ronnie Von Olair Da Costa
Rosaria Dias Da Cunha
Roselia Alves Rodrigues Silva
Rosiane Sales Souza Ferreira
Rosilene Ozorio Pizzani Mattar
Ruberlan Antonio Sobrinho
Samara Cristina Dos Santos Souza
Samuel Da Silva Barbosa
Sandro Andrade Goncalves
Sebastião Divino Santana
Sergio Carlos Rodrigues
Sirlei De Brito Ribeiro
Sueli De Fatima Marcos
Thiago Leandro Valentim
Thiago Mateus Costa
Tiago Augusto Favarini
Tiago Barbosa Da Silva
Tiago Coutinho Carmo
Tiago Tadeu Mendes Da Silva
Uberlandio Antonio Da Silva
Vagner Nascimento Da Silva
Valdeci De Souza Medeiros
Vanderlucio Dos Santos
Vania Maria De Carvalho Brito
Vinicius Henrique Leite Ferreira
Wagner Valmir Miranda
Walaci Junhior Candido Da Silva
Walisson Eduardo Paixao
Wallisson Pessoa Damasceno
Wanderson Carlos Pereira
Wanderson De Oliveira Valeriano
Wanderson Paulo Da Silva
Wanderson Soares Mota
Warley Gomes Marques
Warley Lopes Moreira
Weberth Ferreira Sabino
Wellington Alvarenga Benigno
Wellington Campos Rodrigues
Wenderson Ferreira Passos
Weslei Antonio Belo
Wesley Antonio Das Chagas
Wesley Assis (Zinho)
Wilson Jose Da Silva
Wiryslan Vinicius Andrade De Jesus
Zilber Lage De Oliveira

BRUMADINHO-MG: ‘Nos guiamos pelo cheiro dos corpos’, relata brigadista

Limite da equipe é de seis metros lama adentro Foto: André Borges/Estadão
A busca é feita pelo cheiro, pelo olhar atento que percorre a superfície da lama fétida, em busca de algum sinal de corpo humano, ou do que restou dele. Os brigadistas apontam para algo no meio do barro. Acompanho de longe, ao lado da casa que foi engolida pelo rejeito. Dali, não consigo ver nada além de entulho. “É um corpo. Vamos até lá”, diz um deles.

Na equipe, são 11 brigadistas em operação. Dois deles entram no mato e voltam carregados de galhos para lançar sobre o barro mole. Vão fazendo uma ponte improvisada até chegar ao que parece ser parte de alguém. Um brigadista se volta para mim. Penso que serei expulso. A área foi isolada e não há mais ninguém ali. Ele pede ajuda. “Ei, você, me dá essa madeira aí no canto, rápido”, diz ele, apontando um pedaço da porta que restou de um guarda-roupas. Entrego a madeira. Eles lançam sobre o barro.

Caminhar na lama ainda é impossível. Dois dias depois da enxurrada de rejeito da Valevarrer o Córrego do Feijão e estraçalhar tudo o que encontrou pela frente, o barro ainda segue mole. Um passo em falso e você afunda até as canelas, sem conseguir sair. Para a equipe de brigadistas que trabalha nas margens do desastre, nesta região de Brumadinhoconhecida conhecida como “Berço Alberto Flores”, o limite do salvamento são cinco, seis metros lama adentro. “Qualquer coisa para além disso, é risco de não conseguir voltar”, me diz um deles. “Procuramos sobreviventes, sempre. Mas aqui, a verdade é que estamos nos guiando pelo cheiro dos corpos ou pelo o que conseguimos ver.”

Andando sobre as madeiras, eles chegam ao que seria um corpo humano. É. Com luvas, um deles se abaixa e passa a recolher órgão de alguém. Vísceras, estômago, fígado. Roupa. Em fila indiana, passam de mão em mão o que encontraram pela frente, até depositar as partes sobre uma manta metálica no chão.

Rapidamente recolhem o material e somem pela mata. O deslocamento de vítimas que têm sido encontradas próximas de estradas é feito por meio de ambulâncias. Em áreas mais remotas, o trabalho é apoiado pelo helicópteros, que não param de cruzar o céu.

Olho para o horizonte do mar de lama que se abriu na mata. Ao longe, nos cantos da vegetação, é possível ver mais mantas metálicas espalhadas, aguardando para serem recolhidas.

“É melhor você ir agora”, me diz um dos brigadistas. “Essa região ainda não está segura e foi isolada, o solo ainda está muito movediço.”

Me despeço e saio pela mata. Toda a região foi cercada pela polícia e os acessos pelas estradas estão proibidos. Meu acesso à equipe de brigadeiros se deu casualmente, quando decidi entrar por uma estrada de terras que seguia até o curso do Rio Paraopeba, outra vítima fatal da catástrofe. Sítios e chácaras que não foram inundados estão vazios, com as portas trancadas. A polícia ronda a região, por causa de saques que ocorreram em algumas áreas.

Uma dessas casas é a chácara “Recanto Feliz”, número 126, bem na beira da estrada que foi interditada pelo mar de rejeitos de minério de ferro. Sobraram sinais da felicidade por ali. Brinquedos de crianças largados no sofá. Na pia, louça suja de um almoço feito dois dias atrás. Na varanda, uma casinha de madeira para as crianças com vista para o que era o córrego. Não há mais vista. Nem crianças.

*ESTADÃO CONTEÚDO