Mostrando postagens com marcador ECONOMIA. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ECONOMIA. Mostrar todas as postagens

sábado, 24 de novembro de 2018

Aposentadorias e parcela do 13º da Previdência Social somam R$ 864 milhões no RN

Previdência Social vai pagar R$ 864 milhões no RN até 7 de dezembro — Foto: Sindprevs-RN
VNT - O pagamento das aposentadorias de novembro somado ao 13º salário de mais de 587 mil beneficiários da Previdência Social vai causar a injeção de R$ 864 milhões na economia do Rio Grande do Norte, segundo o INSS. O calendário de pagamento começa nesta segunda-feira (26) e segue até o dia 7 de dezembro.
Ao todo, são 587.329 aposentados têm direito a receber a gratificação natalina no estado. Cerca de R$ 507 milhões serão pagos a 311.527 aposentados das áreas urbanas e R$ 357 milhões, aos 275.712, beneficiários rurais.
É bom lembrar, entretanto, que a segunda parcela do 13º vem com o desconto do Imposto de Renda (IR), o que causa uma redução em relação à primeira parte, que foi paga no meio do ano.
Ainda de acordo com o INSS, os segurados que começaram a receber benefício depois de janeiro têm direito ao 13º salário proporcional. Nesses casos, ele é calculado de acordo com o período e a segunda parcela será menor que 50%.
Por lei, não têm direito ao 13º salário, aqueles que recebem benefícios assistenciais, como Benefício de Prestação Continuada e Renda Mensal Vitalícia.

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Primeiro FPM de novembro vem com alta de 19,76%

A transferência referente ao 1º decêndio do mês novembro do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) será promovida nesta sexta-feira, 9. Comparado com o mesmo decêndio do ano passado, o valor será 19,76% maior.

O repasse aos Municípios será de R$ 3,7 bilhões, já descontado a retenção do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Em valores brutos, incluindo o Fundeb, o montante é de quase R$ 4,7 bilhões.

O primeiro decêndio sofre influência da arrecadação do mês anterior, uma vez que a base de cálculo para o repasse é dos dias 20 a 30. Esse 1º decêndio, geralmente, é o maior do mês e representa quase a metade do valor esperado para o mês inteiro.

Quando o valor do repasse é deflacionado, levando-se em conta a inflação do período, comparado ao mesmo período do ano anterior, o crescimento é de 14,86%, de acordo com os dados da Secretaria do Tesouro Nacional (STN).

Diante do valor acumulado do FPM em 2018, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) ressalta que é preciso planejamento e reestruturação dos compromissos financeiros das prefeituras para que seja possível o fechamento das contas sem que haja ônus para os gestores municipais. A entidade orienta que gestores municipais devem manter cautela e ficarem atentos ao gerir os recursos do Município dentro do próprio mês, uma vez que os valores previstos sempre são diferentes dos valores realizados.

O FPM, bem como a maioria das receitas de transferências do País, não apresenta uma distribuição uniforme ao longo do ano. Quando avaliamos mês a mês o comportamento do Fundo nos repasses realizados pela Receita Federal, nota-se que ocorrem dois ciclos distintos. No primeiro semestre estão os maiores repasses (fevereiro e maio), mas no outro ciclo, entre os meses de julho a outubro, os montantes diminuem significativamente, com destaque para setembro e outubro.